Por um mês, a editora de moda Mari Di Pilla da revista Marie Claire fez a dieta do Método Pronokal. Leia a sua experiência.

“Fiz a minha primeira consulta com a Doutora Verônica Jordão, em São Paulo, levando uma série de exames de sangues pedidos anteriormente. Da glicemia ao sódio, tudo é medido para que o médico saiba qual é a saúde de cada paciente. A partir dai, traçamos a meta. Meu objetivo era perder 4kg, eu precisaria ficar sem comer carboidratos por um mês. Fizemos o plano e confesso que fiquei com um pouco de “medo” no começo. Será que eu ficaria sem energia? Iria morrer de fome? Como fica a academia nessa? E o humor… A doutora me garantiu que os três primeiros dias seriam os mais difíceis e, de fato, foram. Mas os outros eu diria que também não foram fáceis.

Dieta do pó, da Nasa… durante o tempo em que estava fazendo o método ouvi diversos “adjetivos” para aqueles pozinhos que eu estava comendo. Os tais pós vêm dentro de sachês e tem diversos sabores. Não são temperos, coisas que você mistura no leite comowhey protein… O pó é a comida! São diversos: sucos variados, café, cappuccino, omelete, sopa… até crepe de chocolate tem! Cada sachê vem com uma tabela nutricional e o modo de preparo. Os bolinhos vão ao forno, o suco precisa apenas de água. E, durante todas as fases, ao todo oito, é preciso também fazer uma suplementação de cálcio, magnésio, sódio, omega 3 e potássio.

Comecei com cinco sachês no dia e 18 (!!!) comprimidos distribuidos ao longo da jornada. No café da manhã era só ele, no lanche da manhã e da tarde também. Já no almoço e no jantar, ai é permitido comer 300g (por refeição) de uma série de legumes verdes e 50g (também por refeição) de tomate, palmito e outras coisas que jamais imaginaria que tivesse “tanto carboidrato”. Cenoura e abóbora, por exemplo, são proibidas em quase todas as fases da dieta.  Após sete dias, fui evoluindo de fase. É preciso ir ao médico toda semana para acompanhar o peso e também se você não está “roubando na dieta”. Um dos segredos da Pronokal é você ficar em cetose, um estado no qual o seu corpo não recebe mais de 20 gramas de carboidrato (o que, acredite, é muito pouco) durante 3 dias e, a partir disso, passa a queimar gordura como combustível. Por isso é tão eficiente para pessoas que, como eu, estão dentro da faixa normal de peso, mas querem dar aquela secada para o verão.

Cada evolução de fase é um alivio. Na 2 (no meu caso, comecei essa fase duas semanas após o início da dieta) é permitido comer proteína animal no almoço. Na 3 já pode comer também no jantar. Na 4 já acrescenta-se um carboidrato e por ai vai… Na 5 alguns outros alimentos são autorizados, os sachês vão diminuindo. A 8 é vitória final. As fases 1, 2 e 3 são responsáveis por 80% da perda de peso, mas como em toda dieta restritiva, se não fizer o pós direito – é certo que vai engordar. E um detalhe importante: comecei com 23,6%  de gordura e agora estou com 19%. Enquanto escrevo esta matéria estou terminando a 7, aliviada, mas feliz da vida.

PRÓS: Perda rápida de peso;

Diminuição significativa da taxa de gordura;

Como você só pode comer os sachês, não fica naquele dilema do que tem que comer durante a dieta;

Acompanhamento médico ajuda a manter a linha;

Muita variedade de produtos e sabores;

Apesar de ser uma dieta bem restritiva, a cetose tira a sensação de fome;

A evolução de fases dá uma sensação de vitória;

CONTRAS: Precisa ter muita disciplina;

Um dia de dieta quebrada com carboidrato, demora-se 3 dias para voltar à cetose;

Quem almoça fora precisa preparar as coisas com antecedência e levar ao restaurante para complementar com a comida;

O humor piora;

A força na academia diminui;”

SERVIÇO:

Clínica Figueira: http://clinicafigueira.com.br/

Pronokal: http://www.pronokal.com/bra    

Comentar ()

() Comentários

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por e-mail.


Sobre mim

Meu nome é Thereza Christina Pereira Jorge, sou carioca, mãe de dois filhos, jornalista. Fui repórter-editora nos jornais O Globo e sucursal Rio de O Estado de São Paulo. Trabalhei nas revistas femininas da Editora Bloch e na revista Isto É, também na sucursal. Sou formada em Ciências Sociais pela UFRJ. Este blog é muito biográfico porque estou descobrindo e praticando o que a OMS definiu como Envelhecimento Ativo. Amo a vida e o viver.




Recomendações

Blog Pong