Com o envelhecimento da população, o número de idosos constitui uma parcela maior do eleitorado. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que a população da terceira idade representa 18,6 dos brasileiros, somando 27,3 milhões de votos e revelando a importância do voto na terceira idade. Esses números podem ser decisivos para a eleição de políticos em todas as esferas: nacional, estadual e municipal.

Um artigo publicado pela Revista Kairós Gerontologia, com o título “Protagonismo político e social na velhice: cenários, potências e problemáticas”,  afirma que “o idoso ocupa um papel cada vez mais significativo na sociedade contemporânea, demarcando seu espaço nos âmbitos econômico, político, cultural e social. A figura do idoso na atualidade, como personagem marcante no cenário social, aparece de forma bastante distinta quando comparada a períodos anteriores da história, marcados pelo ostracismo, abandono, isolamento e negligência social, relacionados à velhice”.

O trabalho identifica uma tendência de maior participação do idosos na vida política e social, porém ainda bem distante do ideal. “Ainda estão bem longe de atingirem um nível de protagonismo capaz de colocá-los em igualdade de condições com os jovens e outros segmentos da sociedade, ou de se constituírem como guias consideráveis na condução dos destinos da própria velhice e da sociedade como um todo”.

O que representa o voto na terceira idade?

Nesse contexto, a participação política e o voto na terceira idade podem ser instrumentos que lhe garantam a escolha de representantes, idosos ou não, com programas que beneficiem essa população.

“O direito ao voto representa uma grande conquista, adquirida pela luta de várias gerações de brasileiros e que precisa ser continuamente valorizado. O voto é a forma pela qual todo cidadão pode escolher quem o representará na elaboração de leis e na aplicação do dinheiro público, para melhoria do país, dos estados e dos municípios. Por isso, é necessário que os cidadãos estejam conscientes de que a escolha exercida nas eleições influencia a vida de todos.” Essa diretriz do Ministério Público do Paraná resume o quão é importante o voto.

Além da importância da participação política para a escolha de representantes, o voto na terceira idade apresenta outro tipo de benefício, o de raciocínio.

A psicóloga Tariane F. Bastos Pereira* explica a importância do voto na terceira idade. “O voto constitui-se de um processo de pensamento crítico e reflexivo. Assim como é importante para o idoso a estimulação do raciocínio por meio de atividades e jogos a construção crítica também é peça fundamental, além de construir a sensação de pertencimento social ao auxiliar em uma decisão coletiva”.

O voto na terceira idade é a forma democrática de escolher representantes que entendam a urgência de apresentar e realizar projetos que valorizem os idosos.

*Tariane F. Bastos Pereira é psicóloga, mestre em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem pela UNESP/Bauru. Atua em avaliação psicológica, tratamento e prevenção psicológica, psicopatologias e promoção de saúde mental. No ITB atua como psicóloga na Organ, Gealb e Gappec.
MADU é uma iniciativa do projeto Rede Bem Estar, realizado pelo Conselho Estadual do Idoso, em parceria com o Grupo Tellus, a Brasilprev e a Liga Solidária. Foi criada para potencializar a relação entre pessoas mais velhas, seus familiares e amigos além de compartilhar conteúdos sobre envelhecimento e velhice.