Alimentação na Crise

O seu orçamento tem interferido na forma como você se alimenta? Uma pesquisa divulgada pela Netpoints, programa de fidelidade com foco no varejo, sugere que sim. Ao avaliar as mudanças no consumo de produtos vendidos em supermercados, o levantamento mostrou que com a crise os brasileiros passaram a optar por produtos mais baratos – e condenados por nutricionistas em muitos casos.
Enquanto o consumo médio das 39 categorias de produtos avaliadas caiu 3,6% no primeiro semestre de 2015 em relação ao mesmo período de 2014, o grupo de carnes suínas teve aumento significativo, de 50%, e os embutidos cresceram 36%. “Em anos de crise, o consumo médio de supermercados cai, por isso o forte aumento nessas duas categorias surpreende”, afirma Carlos Formigari, presidente da Netpoints.
estudo pesou tanto o aumento na frequência de compra, quanto nos valores gastos, para indicar se o consumidor elevou de fato seu consumo. Além disso, os resultados mostram a variação real, que revela se houve aumento acima da inflação ou se eventuais acréscimos seguem apenas a tendência de aumento generalizado de preços.
“Os consumidores estão jantando mais em casa, buscando comidas de menor valor e trocando o jantar por um lanche, o que fica evidente com o crescimento de embutidos como salsichas, linguiças, mortadelas e pães” comenta o presidente da Netpoints.
Segundo a pesquisa, o consumo de pães industrializados, como pães de forma, pães de hambúrgueres e bisnaguinhas cresceu 7%.
Enquanto as carnes suínas e embutidos tiveram o maior aumento de consumo da pesquisa, o consumo de leite caiu 7% e os produtos de utilidade para o lar tiveram a maior redução de todas as categorias, com queda de 14%.
Tanto as carnes bovinas (+3%), quanto as aves (+6%) tiveram aumento de consumo inferior ao das carnes suínas, o que pode ser explicado pelo maior custo desses tipos de carnes, segundo o presidente da Netpoints. Em contrapartida, embalados de carnes e aves, que podem ter preços mais acessíveis, cresceram 21%.
As categorias hortifrúti/verduras e raízes/tubérculos tiveram aumento de participação de 15% e 14%, respectivamente.
“As pessoas têm apertado o bolso e focado mais em produtos de alimentação. Na pesquisa, que é voltada a varejistas, nós concluímos que, em vez de direcionar a oferta às bebidas, roupas e utilidades do lar, os varejistas devem concentrar o merchandising no segmento de alimentação, que cresceu”, afirma Formigari.

Thereza Christina Pereira Jorge

Iniciamos com Viva com Beleza Envelhecimento Ativo há 10 anos. E estamos aprendendo a Arte de Envelhecer, e que Arte difícil! O site trata da descoberta do meu Envelhecimento Ativo. Consultoria em Envelhecimento Ativo [email protected] Meu nome é Thereza Christina Pereira Jorge, sou carioca, mãe de dois filhos, jornalista. Estudo há sete anos e Envelhecimento Ativo e escrevo sobre isso. Primeiro no blogue Viva com Beleza e agora no site Arte de Envelhecer. Fui repórter-editora nos jornais O Globo e sucursal Rio de O Estado de São Paulo. Trabalhei nas revistas femininas da Editora Bloch e na revista Isto É, também na sucursal. Sou formada em Ciências Sociais pela UFRJ. O site _ https://www.artedeenvelhecer.com.br _ é muito autobiográfico porque estou descobrindo e praticando o que a OMS definiu como Envelhecimento Ativo. Amo a vida e o viver. Tenho apreciado (às vezes) o meu envelhecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo