Economia Doméstica em 11 lições


A dona de casa norte-americana Danielle  Wagasky ficou endividada depois que seu marido foi mandado para lutar no Iraque. Para sair dessa situação, ela adotou atitudes radicais. Sua experiência virou um blog Blissful and Domestic, Dona de Casa Feliz). Na foto do blog, ela com o filho mais velho, Jasom.

O sucesso financeiro de Danielle também virou um livro: Living a Beautiful Life on Less (Vivendo Uma Bela Vida com Menos) conta sua saga para aprender a economizar e dar dicas de como viver bem gastando menos. 

Embora para nós, a condição de Danielle (orçamento de cerca de R$ 1.200,00, mensais) não seja dramática, nos Estados Unidos  corresponde a uma vida financeira bem limitada.  

Vamos aprender com a sua experiência em 11 lições.

Registre cada um de seus gastos
Você precisa saber exatamente o quanto está gastando. Todo dinheiro que Danielle gastava, ia direto para uma planilha de gastos. Se preferir, você pode usar aplicativos específicos para isso. Se você fizer compras em dinheiro, guarde todas as notas fiscais para passar a limpo na planilha. Se você não fizer isso, com certeza irá esquecer. Se elas forem feitas com cartão de crédito ou débito, é possível consultar os extratos posteriormente. Outra dica é andar com uma pequena caderneta para anotar, na hora, os gastos.

Corte a TV a cabo
Nos Estados Unidos, as famílias pagam, em média, US$ 64 por mês de TV a cabo, o que, num ano, chega a US$ 768. É um valor alto, tendo em vista que, muitas vezes, não aproveitamos tudo o que a TV por assinatura nos oferece. Danielle diz que ninguém precisa de TV a cabo para viver. Ela sugere pagar por serviços mais baratos, como uma assinatura do Netflix.

Dê um jeito de enxugar tudo o que puder
Não basta apenas reduzir os gastos com TV a cabo ou supermercado. É preciso enxugar em todas as áreas da sua vida. Você precisa mesmo de um carro caro para ir do trabalho para casa? Um carro popular tem custo de manutenção, IPVA e seguro muito mais baixo do que um automóvel mais equipado. Também consome menos combustível. O mesmo se aplica à moradia. Evidente que todo mundo quer morar numa boa casa. Mas se você quer economizar, precisa estar num imóvel mais simples, com aluguel mais em conta e num bairro onde as coisas serão também mais baratas.

Quando quiser comprar algo adie a decisão um dia
Danielle aconselha o seguinte: quando você vir algo que quer comprar, mas que não estava no seu planejamento, não compre na hora. Vá para casa e pense. Se você decidir que realmente quer aquele produto, então coloque no seu orçamento esse desejo e economize dinheiro para, mais para frente, comprá-lo. Se você não quiser esperar o tempo de economizar o dinheiro para fazer a compra, então provavelmente você realmente não precisa nem quer aquela coisa nova. Se quisesse muito, faria o esforço.

Use o sistema de envelopes
Essa técnica é bastante aplicada por consultores financeiros com os clientes que costumam estourar o orçamento. Funciona assim: no começo de cada mês escreva todos os gastos que terá e separe o dinheiro para cada um deles em envelopes etiquetados. Se você pretende, por exemplo, gastar R$ 800 por mês no supermercado, deixe o valor, em dinheiro, separado num envelope. Toda vez que for fazer compras, você deve usar esse dinheiro. Danielle argumenta que, ao usar dinheiro e não cartões, ficamos mais atentos aos nossos gastos. É como se sentimos mais o custo de cada compra ao ver o dinheiro indo embora da carteira.

Vá menos ao supermercado e faça compras maiores
Quanto menos tempo você passar no mercado, menos irá gastar. Essa é uma das máximas de Danielle. Quando vamos ao mercado para comprar poucos itens, raramente nos detemos apenas neles. Sempre acaba-se comprando mais do que o esperado. Ao ir menos vezes às compras, você reduz as chances de comprar por impulso. A americana só faz compras uma vez ao mês. Para quem gosta de comer alimentos frescos, no entanto, isso pode ser bastante complicado. A sugestão então é comprar os itens não perecíveis apenas uma vez a cada mês.

Compre menos carne
Um jeito simples de cortar os gastos no mercado é reduzir o consumo de carne. Danielle sugere trocar a carne por feijões, por exemplo. Se para você ficar sem comer carne for algo muito difícil, experimente deixar de comer esse alimento uma vez na semana. Essa atitude já reduzirá bastante sua conta no supermercado.

Escolhas marcas genéricas ou próprias das redes de supermercado
Muitos produtos de marcas menos conhecidas são tão bons ou até melhores do que os de marcas famosas e mais caras. Boa parte dos produtos de marca própria dos supermercados, por exemplo, são produzidos pelas mesmas indústrias das marcas de renome.

Prefira coisas caseiras
Danielle diz que aprendeu que, quanto mais ela fizer coisas em casa (comida, principalmente), mais dinheiro economizará. Ela conta, por exemplo, que comprou uma máquina de pão de segunda mão e, desde então, deixou de gastar tanto dinheiro com esse alimento.

Invista nos básicos
Suas roupas devem ser básicas e clássicas. Quem quer economizar precisa ter roupas atemporais e que possam ser bastante combinadas entre si. Quando se compra algo muito “da moda” a chance de essa peça ficar datada rapidamente é enorme.

Compre qualidade
Nem sempre o mais barato é o melhor negócio. Ou, como diz o ditado, o barato às vezes sai caro. De nada adianta comprar um sapato barato se ele se acabar em poucos meses.

Conteúdo adaptado Época Negócios Online

Thereza Christina Pereira Jorge

Iniciamos com Viva com Beleza Envelhecimento Ativo há 10 anos. E estamos aprendendo a Arte de Envelhecer, e que Arte difícil! O site trata da descoberta do meu Envelhecimento Ativo. Consultoria em Envelhecimento Ativo [email protected] Meu nome é Thereza Christina Pereira Jorge, sou carioca, mãe de dois filhos, jornalista. Estudo há sete anos e Envelhecimento Ativo e escrevo sobre isso. Primeiro no blogue Viva com Beleza e agora no site Arte de Envelhecer. Fui repórter-editora nos jornais O Globo e sucursal Rio de O Estado de São Paulo. Trabalhei nas revistas femininas da Editora Bloch e na revista Isto É, também na sucursal. Sou formada em Ciências Sociais pela UFRJ. O site _ https://www.artedeenvelhecer.com.br _ é muito autobiográfico porque estou descobrindo e praticando o que a OMS definiu como Envelhecimento Ativo. Amo a vida e o viver. Tenho apreciado (às vezes) o meu envelhecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo