Envelhecimento Ativo é …

… “malhar” o cérebro

Não sei bem a razão mas um sintoma de que estamos envelhecendo é o esquecimento e a dúvida que esse lapso pode causar.
Tomei o remédio…
Isso sem falar no constrangimento que paira quando estou animada contando algo inteligente para alguém que quero impressionar e na hora de citar o que seria o coroamento de um discurso pro-sedutor, dá o “branco OMO total”. E a expressão do interlocutor é de ansiosa espera pela brilhante conclusão que acabo não fazendo…  
Sempre tive boa memória. Quando dá o “branco” fico logo mal-humorada e me achando a um pé da demência senil.
Dias desses em que o temor da velhice se torna quase uma obsessão (felizmente são poucos), fiquei experimentado métodos de associação para não dar um segundo vexame. Vocês vão até rir e podem registrar o método como algo lúdico e nada científico.
Fiquei me apresentando alguns desafios. Quem é o diretor do filme tal; quem escreveu tal livro; como é a letra daquela música do Sinatra que eu gosto do filme “Meus Dois Carinhos”.   (The Lady is a Tramp, a resposta)
Fazia a pergunta e não me lembrava da resposta. Tornava fazer a pergunta e respondia com o que me viesse à cabeça. Sei que depois de algum tempo, destravava alguma coisa (bloqueio emocional) e eu lembrava o que tinha esquecido. Resolvi batizar meu “método” de memória dinâmica.
A leitura dinâmica (febre na década de 1970 nas universidades) foi um método de estudo de Louis-Émille Javal, no século XIX, ele era oftalmologista e professor da Universidade de Sorbonne, em Paris. Focava-se nos movimentos que o globo ocular faz, servindo de instrumento para a mente na leitura das mensagens grafadas. O médico concluiu que os olhos podem ser treinados, tornando a musculatura do globo ocular cada vez mais rápida, e por conseguinte a leitura.
Noutro dia experimentei o meu método numa reunião social mas só de gente amiga. E de mulheres maduritas como eu.
Contei minhas “descobertas” e do meu treinamento.  Uma conhecida, gênia, Ph.D. em neurolinguística da UFRJ, explicou para todo mundo que o método tinha sua razão de ser porque criava uma associação de ideias que impedia o bloqueio.
Fiquei mega orgulhosa: a comunidade científica tinha dado aval à minha descoberta. Oba. Posso adiar a demência senil ou até ignorá-la com as minhas brincadeiras. Tente você, agora, e veja se funciona.

Teste a velocidade de sua leitura
Elimine os ruídos
Desligue a TV, coloque o computador para descansar, prenda o cachorro e esqueça o celular.
Sente-se confortavelmente sob um abajur e faça estes exercícios com um texto que você já leu várias vezes, porque é importante treinar com uma informação que você domina.
Agora teste suas novas habilidades. Sua leitura será pontuada como dinâmica quando você absorver esta página em 24 segundos.


Thereza Christina Jorge, editora



Thereza Christina Pereira Jorge

Iniciamos com Viva com Beleza Envelhecimento Ativo há 10 anos. E estamos aprendendo a Arte de Envelhecer, e que Arte difícil! O site trata da descoberta do meu Envelhecimento Ativo. Consultoria em Envelhecimento Ativo [email protected] Meu nome é Thereza Christina Pereira Jorge, sou carioca, mãe de dois filhos, jornalista. Estudo há sete anos e Envelhecimento Ativo e escrevo sobre isso. Primeiro no blogue Viva com Beleza e agora no site Arte de Envelhecer. Fui repórter-editora nos jornais O Globo e sucursal Rio de O Estado de São Paulo. Trabalhei nas revistas femininas da Editora Bloch e na revista Isto É, também na sucursal. Sou formada em Ciências Sociais pela UFRJ. O site _ https://www.artedeenvelhecer.com.br _ é muito autobiográfico porque estou descobrindo e praticando o que a OMS definiu como Envelhecimento Ativo. Amo a vida e o viver. Tenho apreciado (às vezes) o meu envelhecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo