Paciente internado está deitado numa maca hospitalar e é atendido por dois profissionais de saúde

O Brasil acumula mais de 191 mil mortes por covid-19 desde o início da pandemia. Mas epidemiologistas, matemáticos e cientistas de dados calculam que o número real é bem maior. (a reportagem da BBC Brasil, SP, saiu publicada dia 30 de dezembr0. Infelizmente, o argumento é ainda mais forte diante dos mais de 201 mil mortos.)

Mesmo as análises mais conservadoras desses profissionais indicam um excedente não contabilizado que ultrapassa a casa das dezenas de milhares de óbitos pela doença.

Embora a subnotificação seja um fenômeno que aconteça em todo o mundo, no nosso país ela apresenta características únicas. Especialistas ouvidos pela BBC News Brasil apontam uma enorme dificuldade para entender a origem e a metodologia dos dados disponibilizados pelo governo sobre a pandemia.

“Não basta informar o número final. Precisamos de uma transparência de como essas informações são coletadas para que tenhamos tranquilidade de que elas realmente representam a realidade que estamos vivendo. A gente só fica sabendo das coisas com atraso”, critica o cientista de dados Isaac Schrarstzhaupt, coordenador da Rede Análise Covid-19.