Encerrando um ciclo de seis módulos de oficinas e palestras focadas na atenção à saúde dos pacientes com mais de 60 anos, a Secretaria Municipal de Saúde e o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) reuniram, nesta segunda-feira (11), cerca de 150 médicos, enfermeiros e técnicos em enfermagem da rede para a capacitação com o conselheiro do Conass, médico e professor Edgar Nunes de Moraes. O evento foi realizado no auditório Cícero Diniz, no Centro Administrativo Municipal.

Durante a capacitação, foram abordadas as formas de cuidados com o idoso dependente, a questão da ausência familiar, os cuidados paliativos e o fim da vida. À frente da Rede de Atenção à Saúde do Idoso desde agosto, o médico e coordenador André Augusto Jardim destaca que é fundamental uma preparação em todos os setores, especialmente em saúde, para lidar com o amadurecimento populacional em Uberlândia.

“Quando vimos a possibilidade de trazer um consultor para fazer a estratificação de risco do idoso – sendo isso um elemento gerenciador das recomendações, abordagens terapêuticas e do referenciamento do idoso – ficamos muito entusiasmados com esse projeto”, afirmou.

Atualmente consultor da Organização Pan-Americana da Saúde e do Conselho Nacional de Secretários de Saúde na área de Saúde do Idoso, o médico e também professor no curso de  Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) – onde coordena o Núcleo de Geriatria e Gerontologia – Edgar Nunes de Moraes, destaca que o a temática escolhida para finalizar o ciclo de capacitação garante uma abordagem completa de todos os recursos fundamentais para a lida com os pacientes idosos.

“Nesse último ciclo, aprofundamos na abordagem do idoso dependente, com incontinência urinária, com imobilidade ou que estão acamados São pacientes que necessitam de um cuidado especial da família e da Secretaria Municipal de Saúde. A ideia é mostrar como podemos melhorar a vida desse idoso e suavizar o fardo da família, pois discutimos também a finitude e o cuidado paliativo para sabermos oferecer um término de vida com o máximo de conforto a esse indivíduo”, afirmou.

Ampla abordagem

Ao longo do ano, os profissionais em saúde de Uberlândia puderam participar de outras oficinas, também ministradas pelo médico e professor Edgar Nunes, como a Implantação da Rede de Atenção à Saúde do Idoso: saúde e envelhecimento, Estratificação de risco e avaliação multidimensional do idoso, Abordagem das comorbidades no idoso, com ênfase na hipertensão arterial e diabetes mellitus, Estratégias de prevenção no idoso: perigos associados ao uso excessivo de “medicações preventivas”), Esquecimento, demências e outras doenças neurodegenerativas no Idoso, Depressão e alterações comportamentais no idoso, além de Quedas e desequilíbrio e perda de massa e força na musculatura esquelética.

A iniciativa da Secretaria Municipal de Saúde reforça o compromisso da gestão municipal com os pacientes acima dos 60 anos. A cidade é um centro colaborador do Conass, e sedia as capacitações desde o fim de 2018. Paralelamente às oficinas, foram realizados Mutirões de Saúde do Idoso, atendimentos ambulatoriais de atenção contínua, entre outras estratégias para aprimorar o atendimento à terceira idade. São ações que buscam tornar Uberlândia uma referência na oferta do melhor serviço em saúde para se envelhecer, construindo uma Cidade Amiga do Idoso.

https://www.uberlandia.mg.gov.br/2019/11/11/rede-de-atencao-a-saude-do-idoso-encerra-ciclo-de-capacitacoes/

 

Com a presença de cerca de 300 participante,  começou ontem em Águas de Lindoia, a XV Conferência Estadual do Idoso de São Paulo. Estiveram representados 180 dos 645 municípios que compõem o Estado. O encontro tem como objetivo reunir até amanhã, 13, as principais deliberações dos conselhos municipais sobre Envelhecer no Século XXI, tema deste ano.

Na abertura, a presidente do CEI- Conselho Estadual do Idoso de São Paulo, Vera Luzia do Nascimento Fritz presidente da Conferência, ressaltou a importância da intersetorialidade e a responsabilidade intersecretarial com as deliberações que serão tiradas ao final da conferência. Lembrou das dificuldades da realização da conferência, dos adiamentos (a data foi adiada três vezes) e lamentou a necessidade de usar o dinheiro do Fundo Estadual do Idoso para bancar os custos da conferência, já que o  governo anterior não fez a devida previsão orçamentária  para as despesas do encontro.

 

O médico epidemiologista Alexandre Kalache (foto, ) presidente do International Longevity Center-Brasil falou sobre as perspectivas do envelhecimento global e as necessidades das políticas públicas das prefeituras se atualizarem das necessidades sociais. Na foto, o presidente do CIL Brasil Alexandre Kalache, Vera Luzia Nascimento Fritz, presidente do CEI -Conselho Estadual do Idoso de SP e Lúcia Secotti, ex-presidente do CNDI -Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa Idosa.

jornal3idade.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *