Transportes: É de graça ou não é?



Cerca de 40 milhões de pessoas utilizam ônibus para se locomover no Brasil, de acordo com a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU). Estimativas da entidade apontam que uma em cada seis viagens, aproximadamente, está relacionada às gratuidades, como os benefícios para idosos, estudantes e portadores de deficiências — trata-se de mais de 60 deslocamentos por segundo sem que o usuário precise pagar pela passagem. 

O impacto dessa conta no preço final da tarifa foi um dos temas do terceiro encontro sobre mobilidade urbana promovido pelo EXTRA, na última terça-feira.

— A Constituição Federal determina a gratuidade para a terceira idade, mas não aponta nenhuma fonte de custeio. Existe, por exemplo, o Fundo Nacional do Idoso, assim como o passe escolar poderia vir das verbas da Educação. Do jeito que está, são gastos que acabam incidindo sobre o usuário comum. Não existe almoço grátis — explicou Marcos Bicalho dos Santos, diretor da NTU e um dos palestrantes do evento.

A mesma constituição citada por Bicalho assegura, desde setembro do ano passado, o direito de todo cidadão ao transporte. Na ocasião, uma emenda aprovada no Congresso colocou o setor no mesmo patamar de necessidades básicas como saúde, educação, segurança e moradia.

Ainda assim, os custos para se locomover no Brasil estão entre os mais altos da América Latina. Considerando só as grandes cidades do continente, São Paulo e Rio de Janeiro perdem no preço médio da passagem apenas para Montevidéu, no Uruguai. Não por acaso, o gasto com transporte ultrapassa os 20% da renda familiar entre os mais pobres, segundo dados do IBGE.


Conteúdo compacto do Extra Online

Thereza Christina Pereira Jorge

Iniciamos com Viva com Beleza Envelhecimento Ativo há 10 anos. E estamos aprendendo a Arte de Envelhecer, e que Arte difícil! O site trata da descoberta do meu Envelhecimento Ativo. Consultoria em Envelhecimento Ativo [email protected] Meu nome é Thereza Christina Pereira Jorge, sou carioca, mãe de dois filhos, jornalista. Estudo há sete anos e Envelhecimento Ativo e escrevo sobre isso. Primeiro no blogue Viva com Beleza e agora no site Arte de Envelhecer. Fui repórter-editora nos jornais O Globo e sucursal Rio de O Estado de São Paulo. Trabalhei nas revistas femininas da Editora Bloch e na revista Isto É, também na sucursal. Sou formada em Ciências Sociais pela UFRJ. O site _ https://www.artedeenvelhecer.com.br _ é muito autobiográfico porque estou descobrindo e praticando o que a OMS definiu como Envelhecimento Ativo. Amo a vida e o viver. Tenho apreciado (às vezes) o meu envelhecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo