Viver para sempre: Só para os mais ricos da Terra

Autor(a):

Alguns dos homens mais ricos do mundo financiam investigação para parar o envelhecimento. O segredo está na reprogramação celular e pode começar a ter resultados já na próxima década

Poucas semanas depois de ter ido ao espaço, em julho do ano passado, Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, lançou-se numa missão ainda mais radical e que pode vir a mudar para sempre a própria Humanidade. Longe dos radares mediáticos, o fundador da Amazon tornou-se um dos principais financiadores da Altos Labs, uma misteriosa startup criada em setembro, em Silicon Valley, com o mais ambicioso e ousado dos objetivos: encontrar o “elixir da juventude” e expandir em várias décadas a longevidade humana.

Lançada pelo milionário de origem russa Yuri Milner, que fez fortuna no Facebook, a Altos Labs recrutou alguns dos mais conceituados cientistas do mundo, prometendo-lhes total autonomia e financiamento ilimitado para investigarem uma forma de reverter o envelhecimento através da reprogramação celular. O japonês Shinya Yamanaka, que em 2012 ganhou o Prémio Nobel da Medicina ao conseguir transformar células humanas envelhecidas em células troncoembrionárias, fazendo-as rejuvenescer até ao seu estado primitivo, lidera o conselho científico da empresa. Entre os investigadores está também o biólogo espanhol Juan Carlos Izpisúa Belmonte, que há dois anos anunciou ter conseguido aumentar em 30% a esperança de vida de ratinhos a partir da descoberta de Yamanaka, fazendo com que animais em acelerado envelhecimento recuperassem a função de vários órgãos e se tornassem mais jovens e saudáveis.

Belmonte considera que o envelhecimento “não passa de desvios moleculares que ocorrem ao nível celular”. No fundo, uma “anomalia” que um dia será possível corrigir e reverter. E acredita que a esperança de vida pode ser aumentada em pelo menos 50 anos reprogramando, como se fosse um código de software, a informação genética das células. É essa a meta traçada pela Altos Labs, que não está sozinha na demanda pelo “elixir da vida”. A busca da “fórmula mágica” que nos tornará jovens para sempre ou, pelo menos, por muito mais anos transformou-se numa corrida global que está a atrair a atenção e o investimento de vários multimilionários. Já em 2013, a gigante Google lançou a Calico, uma unidade especial de investigação na área da longevidade que também conta com cientistas de elite e com a colaboração de instituições como a Universidade de Harvard e o MIT.

“À medida que as células envelhecem, perdem as suas propriedades funcionais, porque o padrão de expressão de proteínas já não é regulado da melhor maneira. Mas ao reprogramar as células com a injeção de um determinado cocktail de proteínas, elas voltam a ter um padrão transcricional e epigenético semelhante às células jovens. No fundo, trata-se de fazer um reset no relógio biológico. É essa a ideia que todas estas empresas estão a explorar, com um financiamento único na história da ciência”, explica Cristiana Pires, CEO da Asgard Therapeutics, empresa, sediada na Suécia, que fundou com mais dois cientistas portugueses e que está a desenvolver uma tecnologia de reprogramação celular destinada a fortalecer as defesas do organismo no combate ao cancro.

Dádiva ou maldição?

No último século, a esperança média de vida nos países desenvolvidos mais do que duplicou. Apesar de a proporção de pessoas que vivem até aos 100 anos ser ainda muito pequena, o número está a aumentar de forma acentuada. No ano 2000 havia cerca de 180 mil centenários em todo o mundo.

Em 2050 estima-se que venham a ser, pelo menos, 3,2 milhões.

Ninguém duvida de que a barreira do centenário irá tornar-se vulgar. E se vingarem as previsões científicas mais otimistas, como as que apontam para a meta dos 150 anos, pode mesmo vir a transformar-se num aniversário como outro qualquer.

Mas sem alterações profundas na sociedade o “elixir da longa vida” pode ser uma maldição. Em vez de ser encarado como uma dádiva, o aumento continuado da esperança de vida tem sido visto muitas vezes como uma ameaça letal aos sistemas de saúde e segurança social, cada vez mais sobrecarregados pelo peso de uma população crescentemente envelhecida, dependente e fragilizada por doenças crónicas.

Hoje, aos 65 anos cada português pode esperar viver, em média, mais 20. O problema é que, desses, só 7,9 anos, no caso dos homens, e 6,7, no caso das mulheres, serão saudáveis, livres de doença e incapacidade. Por isso, defende Cristiana Pires, “o foco (da investigação científica) tem de estar em melhorar a qualidade de vida e não em estendê-la”. É isso que se tenta fazer na Asgard Therapeutics, que aposta na reprogramação celular para estimular o sistema imunitário na luta contra o cancro, criando células dendríticas, que constituem a primeira linha de defesa do organismo contra o agressor, ajudando a reconhecê-lo e a sinalizá-lo. A ideia é reprogramar  as células cancerígenas do próprio doente e usá-las como imunoterapia. “Acreditamos que poderá trazer uma solução aos muitos doentes com cancro que ainda não respondem às imunoterapias atuais”, diz. O objetivo é entrar em ensaios clínicos dentro de quatro a cinco anos.

Já a equipa de Lino Ferreira, na Universidade de Coimbra, tem-se dedicado a estudar a reprogramação de células no cérebro, transformando em neurónios células que não têm função útil. Outra linha de investigação centra-se na utilização de pequenas moléculas que eliminam células danificadas, atenuando o efeito do envelhecimento. Doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer, por exemplo, poderão estar a poucos anos de uma cura graças a este tipo de tecnologias, acredita.

Mesmo que o foco da investigação não seja estender em décadas a longevidade humana, como pretende a Altos Labs, uma “injeção de fundos desta magnitude vai promover anos de ouro” na história da investigação científica, congratula-se Cristiana Pires: “Vamos abrir portas para novas terapias que tratam o envelhecimento, mas também o cancro e tantas outras doenças relacionadas.”

O progresso destas técnicas rumo a uma medicina cada vez mais personalizada e eficaz fará, inevitavelmente, prolongar a esperança de vida. Até quando e com que consequências ainda é uma incógnita. E resta saber até que limite é vantajoso fazê-lo, ressalva a investigadora. “Há muitas questões ético-filosóficas que se levantam. Não sei se é sequer desejável esticar a longevidade para além dos 120 anos. Pessoalmente, não gostaria de viver mais do que isso. Acho que a vida é um ciclo e temos de dar lugar às pessoas que vêm a seguir.”

Compacto do conteúdo do jornal digital expresso.pt (portugal)

OBS: A foto de destaque é do filme “A Chegada”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *