A ameaça ao coração dos brasileiros

Perigo: descontrole nas taxas do colesterol causa doenças cardíacas graves.

O colesterol nas alturas tem papel preponderante no aparecimento de problemas como infarto e acidente vascular cerebral (AVC), ou derrame.3 Diante de tamanha relevância, o tema ganhou uma data voltada à conscientização sobre o problema no Brasil – hoje, 8 de agosto, é o Dia Nacional de Prevenção e Controle do Colesterol. Para contribuir com as discussões, o Estadão Blue Studio organizou o webinar “Doenças Cardiovasculares: precisamos dizer não ao colesterol alto”, que teve o patrocínio da Novartis.

Na primeira mesa do evento, realizado no dia 3 de agosto, especialistas falaram sobre as estratégias para o controle do colesterol alto de forma a reduzir a incidência de doenças cardiovasculares. “O infarto, que acontece quando há o fechamento das artérias que levam sangue para o coração, e o AVC, que ocorre pela obstrução ou pelo rompimento daquelas que levam sangue para o cérebro, são as doenças que mais matam no mundo”, pontuou o cardiologista Roberto Kalil, presidente do Conselho Diretor do Instituto do Coração da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). Grande parte dessas mortes, continuou o médico, poderia ser evitada com o gerenciamento de fatores de risco. “O LDL, o colesterol ruim, machuca a parede das artérias. A pessoa então desenvolve uma inflamação que pode causar uma obstrução total”, disse Kalil, que é também diretor do Centro de Cardiologia do Hospital Sírio-Libanês.
Endocrinologista e secretário-geral da Sociedade Brasileira de Diabetes, João Eduardo Salles esclareceu que o colesterol é importante para o funcionamento do organismo; o problema é quando suas taxas estão descontroladas e associadas a outras ameaças, como histórico familiar, diabetes, obesidade, sedentarismo e tabagismo. “Evidências científicas mostram que quem tem alto risco de ter doença cardiovascular deve manter o LDL próximo de 70 mg/dl, e quem já infartou ou teve AVC, próximo de 50 mg/dl.”
O cardiologista Álvaro Avezum, diretor do Centro Internacional de Pesquisa do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo, enfatizou: “O colesterol é um fator de risco que, quando controlado, tem maior impacto na redução de infarto. Ele é fácil de identificar e passível de ser tratado”. Para Avezum, exercício físico e redução de determinados tipos de gordura na alimentação são estratégias importantes. Na visão do cardiologista Andrei Sposito, professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), uma das maiores dificuldades em fazer alterações na rotina em prol da saúde se deve ao fato de que as doenças cardiovasculares são silenciosas. “A pessoa não se percebe em risco. Se o médico avisa que é preciso comer menos e fazer atividade física, não se trata de uma mudança simples. É muito difícil controlar o colesterol só com mudança no estilo de vida.”
O PODER DA CONSCIENTIZAÇÃO
“A motivação de cada um é interna”, disse a nutricionista Bianca Naves, da clínica Nutrioffice, em São Paulo. “Em geral as pessoas sabem o que comer, mas não como comer. Cabe a nós, profissionais, orientar como fazer mudanças de forma gradativa. Quando o paciente começa a sentir bem-estar, mais disposição, ele promove ações contínuas.”
Para Roberto Kalil, conscientização e prevenção são fundamentais para evitar as milhões de mortes ligadas ao colesterol. “Existe uma gama de medicações para baixar as taxas. Mas muitas vezes o indivíduo suspende o tratamento por conta própria quando os níveis diminuem.”
“Remédio de colesterol funciona enquanto você toma. Se você para, o colesterol sobe”, ponderou João Salles. De acordo com o médico, as estatinas são os principais medicamentos para tratar o problema. “A medicina e as medicações estão caminhando. Assim como nas terapias do câncer, vemos avanços no tratamento do colesterol alto. Há e haverá medicamentos novos, que são muito bons e são associados à estatina nesse controle.”
Na sua mensagem final, Álvaro Avezum resumiu as medidas de prevenção: “Não fume, meça a pressão, avalie o colesterol e trate continuamente, faça atividade física, tenha alimentação saudável e gerencie estresse e depressão”.
Remédio de colesterol funciona enquanto você toma. Se você para, o colesterol sobe” João Eduardo Salles, endocrinologista e secretário-geral da Sociedade Brasileira de Diabetes Costumamos falar e agir quando a doença cardíaca já está instalada; precisamos focar em prevenção” Marlene Oliveira, presidente do Instituto Lado a Lado pela Vida.

 

O Estado de S. Paulo

Thereza Christina Pereira Jorge

Iniciamos com Viva com Beleza Envelhecimento Ativo há 10 anos. E estamos aprendendo a Arte de Envelhecer, e que Arte difícil! O site trata da descoberta do meu Envelhecimento Ativo. Consultoria em Envelhecimento Ativo [email protected] Meu nome é Thereza Christina Pereira Jorge, sou carioca, mãe de dois filhos, jornalista. Estudo há sete anos e Envelhecimento Ativo e escrevo sobre isso. Primeiro no blogue Viva com Beleza e agora no site Arte de Envelhecer. Fui repórter-editora nos jornais O Globo e sucursal Rio de O Estado de São Paulo. Trabalhei nas revistas femininas da Editora Bloch e na revista Isto É, também na sucursal. Sou formada em Ciências Sociais pela UFRJ. O site _ https://www.artedeenvelhecer.com.br _ é muito autobiográfico porque estou descobrindo e praticando o que a OMS definiu como Envelhecimento Ativo. Amo a vida e o viver. Tenho apreciado (às vezes) o meu envelhecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo