Ela Envelhece Bem _ Sophia Loren, 86 anos

Ela Envelhece Bem _ Sophia Loren, 86 anos

março 18, 2021 0 Por Thereza Christina Pereira Jorge

Qua­se 60 anos de­pois de re­ce­ber o Os­car de me­lhor atriz com Du­as Mu­lhe­res, Sophia Lo­ren vol­ta a ter des­ta­que em um fil­me. Des­ta vez, com Ro­sa e Mo­mo, di­ri­gi­do por seu fi­lho Edo­ar­do Pon­ti, uma nar­ra­ti­va ba­se­a­da no ro­man­ce A Vi­da Pe­la Fren­te, de Émi­le Ajar (pseudô­ni­mo de Ro­main Gary).
Sophia in­ter­pre­ta Ma­da­me Ro­sa, uma so­bre­vi­ven­te do Ho­lo­caus­to que to­ma con­ta de um me­ni­no de rua, Mo­mo (Ibrahi­ma Gu­eye), que ten­ta­ra rou­bá-la. A his­tó­ria, de cu­nho hu­ma­nis­ta, já ha­via si­do fil­ma­da an­te­ri­or­men­te, em 1977, por Moshé Miz­rahi, ten­do Si­mo­ne Sig­no­ret no pa­pel que ago­ra é de Sophia. O lon­ga, dis­po­ní­vel na Net­flix, dis­pu­ta o Os­car des­te ano na ca­te­go­ria can­ção ori­gi­nal, com Io Si, es­cri­ta e in­ter­pre­ta­da por Lau­ra Pau­si­ni.
Em se­tem­bro, na aber­tu­ra do Mu­seu da Aca­de­mia, ela se­rá a pri­mei­ra ho­me­na­ge­a­da com o prê­mio Van­ta­ge, por sua con­tri­bui­ção ao ci­ne­ma.
Quan­do le­vou a es­ta­tu­e­ta, em 1962, Sophia foi a pri­mei­ra in­tér­pre­te pre­mi­a­da por um fil­me fa­la­do em lín­gua es­tran­gei­ra. Ita­li­a­no, no ca­so. Du­as Mu­lhe­res (La Ci­o­ci­a­ra) é um dra­ma de gu­er­ra di­ri­gi­do por Vit­to­rio De Si­ca. A viú­va Ce­si­ra (Sophia) e sua fi­lha Ro­set­ta (Ele­o­no­ra Brown) fo­gem de Ro­ma ten­tan­do se re­fu­gi­ar no in­te­ri­or, on­de, acre­di­tam, os hor­ro­res da gu­er­ra ainda não che­ga­ram, ou são me­no­res. No en­tan­to, en­con­tram-se com sol­da­dos pe­lo ca­mi­nho e são es­tu­pra­das no in­te­ri­or de uma igre­ja. O fil­me é mui­to for­te e a in­ter­pre­ta­ção de Sophia, mais ainda.
Ao re­ce­ber o prê­mio da Aca­de­mia, ela dis­se que, até Du­as Mu­lhe­res, ha­via si­do ape­nas uma boa in­tér­pre­te. A par­tir des­se fil­me, trans­for­mou-se em atriz de ver­da­de. Pa­ra fa­zer o pa­pel, acei­tou apre­sen­tar-se to­tal­men­te des­gla­mou­ri­za­da. Des­gre­nha­da, com a rou­pa ras­ga­da, su­ja, sem ma­qui­a­gem, em com­po­si­ção ade­qua­da pa­ra uma per­so­na­gem que ten­ta sim­ples­men­te so­bre­vi­ver, jun­to com sua fi­lha, em uma si­tu­a­ção-li­mi­te.
Ti­da co­mo pro­tó­ti­po da be­le­za me­ri­di­o­nal e na­po­li­ta­na, Sophia, no en­tan­to, nas­ceu em Ro­ma, em 20 de se­tem­bro de 1934, com o no­me de So­fia Vil­la­ni Sci­co­lo­ne. O pai lo­go aban­do­nou a fa­mí­lia que, sem re­cur­sos, mu­dou-se pa­ra Poz­zu­o­li, na pe­ri­fe­ria de Ná­po­les. Du­ran­te a gu­er­ra, a ci­da­de foi bom­bar­de­a­da e a fa­mí­lia – mãe e du­as fi­lhas – bus­cou abri­go com pa­ren­tes, em Ná­po­les. Cons­ta que, du­ran­te um ata­que aé­reo, a ga­ro­ta Sophia foi fe­ri­da no quei­xo com o es­ti­lha­ço de uma bom­ba.
A fa­mí­lia da­va du­ro pa­ra so­bre­vi­ver, man­ten­do um pe­que­no res­tau­ran­te do­més­ti­co. Sophia já era ad­mi­ra­da por sua be­le­za e ten­tou a sor­te no concurso de Miss Itá­lia aos 14 anos. Não ga­nhou, mas cha­mou a aten­ção de ob­ser­va­do­res em bus­ca de ros­tos no­vos. Pas­sou a po­sar pa­ra fo­to­no­ve­las e, em 1950, co­me­çou a fa­zer pe­que­nos pa­péis no ci­ne­ma. Foi ex­tra em Quo Vadis, uma su­per­pro­du­ção di­ri­gi­da por Mervyn Le­roy e am­bi­en­ta­da na Ro­ma An­ti­ga. Fa­zia uma es­cra­va da per­so­na­gem de De­bo­rah Kerr. Seu pri­mei­ro pa­pel de des­ta­que foi em O Ou­ro de Ná­po­les, de Vit­to­rio De Si­ca.
A união com Car­lo Pon­ti foi de­ci­si­va pa­ra a vi­da e a car­rei­ra de Sophia. Eles se co­nhe­ce­ram em 1950, quan­do ela ti­nha 16 anos e ele, 37. União com­pli­ca­da, pois Pon­ti era ca­sa­do e a es­po­sa não as­si­na­va a se­pa­ra­ção.
Pon­ti foi o Pig­ma­lião de Sophia, ori­en­tan­do-a na car­rei­ra, es­co­lhen­do os di­re­to­res cer­tos e bons pa­péis. Mes­mo con­tur­ba­do por ques­tões le­gais, o ca­sa­men­to deu cer­to e se man­te­ve até a mor­te de Car­lo, em 2007. O ca­sal te­ve dois fi­lhos, Car­lo Pon­ti Jr. e Edo­ar­do Pon­ti, o di­re­tor de Ro­sa e Mo­mo.
Sophia fil­mou mui­to nos Es­ta­dos Uni­dos, tor­nan­do-se um no­me in­ter­na­ci­o­nal. Foi Pon­ti quem a le­vou a as­si­nar um con­tra­to de cin­co fil­mes com a Pa­ra­mount. Con­tra­ce­nou com os prin­ci­pais ato­res nor­te-ame­ri­ca­nos: com Wil­li­am Hol­den em A Cha­ve (1958), Anthony Quinn em A Orquí­dea Ne­gra (1959), Clark Ga­ble em Co­me­çou em Ná­po­les (1960), Charl­ton Hes­ton no sen­sa­ci­o­nal épi­co El Cid (1961), Omar Sha­rif em A Que­da do Im­pé­rio Ro­ma­no (1963), Gre­gory Peck em Ara­bes­que (1966) e Mar­lon Bran­do em A Con­des­sa de Hong Kong (1966), de Char­les Cha­plin, en­tre ou­tros.
Com um pé na Amé­ri­ca e ou­tro na Eu­ro­pa, Sophia não dei­xou de fil­mar na Itá­lia, ten­do co­mo part­ner cons­tan­te Marcello Mas­troi­an­ni. Es­tão jun­tos em On­tem, Ho­je e Ama­nhã (1963), Ma­trimô­nio à Ita­li­a­na (1964) e Um Dia Mui­to Es­pe­ci­al (1977).
A fil­mo­gra­fia de Sophia é ex­ten­sa e o nú­me­ro de prê­mi­os, idem. No si­te es­pe­ci­a­li­za­do IMDB, o no­me Sophia Lo­ren apa­re­ce em na­da me­nos que 97 cré­di­tos de fil­mes. Pa­péis me­no­res, pro­tagô­ni­cos e mes­mo em lon­gas de epi­só­di­os, co­mo em A Ri­fa, de Boc­cac­cio 70 (1962), em que ela in­ter­pre­ta o prê­mio prin­ci­pal de uma lo­te­ria de fei­ra, sob di­re­ção de De Si­ca.
Os prê­mi­os so­mam 73, em con­cur­sos co­mo Os­car, Glo­bo de Ou­ro, Baf­ta (da Aca­de­mia Bri­tâ­ni­ca), Can­nes, Berlim e Cé­sar (da Aca­de­mia Fran­ce­sa). Al­guns de­les são ho­no­rí­fi­cos, co­mo o Cé­sar e um ou­tro Os­car, es­se de 1991, am­bos pe­la car­rei­ra.
Quais os destaques nes­sa lon­ga e pro­du­ti­va tra­je­tó­ria? Por cer­to, Ce­si­ra, a mãe que ten­ta pro­te­ger a fi­lha de 12 anos em Du­as Mu­lhe­res, é um pa­pel fun­da­men­tal. Mas há tam­bém An­to­ni­et­ta Ta­be­ri, a dona de ca­sa em Um Dia Mui­to Es­pe­ci­al, de Et­to­re Sco­la. A Eu­ro­pa fer­ve sob o fas­cis­mo, Mus­so­li­ni en­con­tra-se com Hi­tler em Ro­ma. En­quan­to to­dos da ca­sa vão ao co­mí­cio, in­clu­si­ve seu ma­ri­do fas­cis­ta, An­to­ni­et­ta man­tém um es­tra­nho en­con­tro com seu vi­zi­nho Ga­bri­e­le (Mas­troi­an­ni), jor­na­lis­ta per­se­gui­do por su­as idei­as. Pou­cas ve­zes, os âm­bi­tos po­lí­ti­co e pes­so­al se mes­cla­ram com tan­ta for­ça co­mo nes­sa obra-pri­ma de Sco­la. Tan­to Sophia co­mo Mas­troi­an­ni es­tão mag­ní­fi­cos, num fil­me que trans­pi­ra hu­ma­nis­mo e com­pai­xão, mes­mo no cli­ma de ódio e res­sen­ti­men­to da épo­ca fas­cis­ta.
Mas co­mo es­que­cer a co­mo­ven­te Fi­lu­me­na Mar­tu­ra­no de Ca­sa­men­to à Ita­li­a­na? Ou o tri­plo pa­pel fe­mi­ni­no em On­tem, Ho­je e Ama­nhã? Ou mes­mo a per­sis­ten­te Gi­o­van­na no um tan­to me­lo­so Gi­ras­sóis da Rús­sia?
Sophia, por sua be­le­za e seu ta­len­to, se tor­nou mais do que uma atriz ta­len­to­sa e de su­ces­so. Vi­rou um mi­to, des­ses que só o ci­ne­ma sa­be for­jar. Sua in­fluên­cia foi enor­me. Quem du­vi­dar que ve­ja o de­li­ci­o­so cur­ta-me­tra­gem O Que Sophia Lo­ren Fa­ria, dis­po­ní­vel na Net­flix. O fil­me mos­tra uma se­nho­ra nor­te-ame­ri­ca­na, tão fã da atriz ita­li­a­na que, a ca­da de­ci­são di­fí­cil que pre­ci­sa to­mar na vi­da, se faz a per­gun­ta do tí­tu­lo: “Nes­se ca­so, o que fa­ria a Sophia Lo­ren?”. E, ela ju­ra, Sophia nun­ca lhe fa­lhou.

Estadão Digital