Eles Envelhecem Bem _ Boris Fausto, historiador, 90

‘Não há apatia pela disputa política: há desencanto’

His­to­ri­a­dor fa­la da cri­se atu­al da de­mo­cra­cia, ad­ver­te que os par­ti­dos ‘per­de­ram o chão’ e se diz aten­to à mo­bi­li­da­de so­ci­al e às no­vas for­mas de atu­a­ção na so­ci­e­da­de

A meio ca­mi­nho de uma elei­ção pre­si­den­ci­al, o Bra­sil con­vi­ve, ho­je, com dois de­sa­fi­os di­fe­ren­tes, mas que se mis­tu­ram. De um la­do, uma po­lí­ti­ca des­mo­ra­li­za­da e uma eco­no­mia que não des­lan­cha. De ou­tro, a im­pres­são, em mui­tos se­to­res, de que a de­mo­cra­cia não dá mais con­ta de aten­der, num mun­do glo­ba­li­za­do e di­gi­tal, às de­man­das da so­ci­e­da­de.

­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­Já en­tra­do em seus 90 anos, o his­to­ri­a­dor Bo­ris Faus­to, que viu de per­to o in­ten­so so­be des­ce da de­mo­cra­cia bra­si­lei­ra ao lon­go do sé­cu­lo 20, ad­mi­te: os dois de­sa­fi­os são re­ais. Mas acres­cen­ta: “A so­ci­e­da­de não tem apa­tia pe­la dis­pu­ta elei­to­ral. Ela tem é de­sen­can­to.”

E ele vê ce­ná­ri­os no­vos pe­la fren­te. “As­sis­ti­mos à emer­gên­cia de uma no­va clas­se mé­dia li­ga­da aos ser­vi­ços, à tec­no­lo­gia, aos pe­que­nos ne­gó­ci­os – e ela vai ter um pe­so po­lí­ti­co no fu­tu­ro”, diz nes­ta en­tre­vis­ta a Ga­bri­el Man­za­no. Es­ses gru­pos, se­gun­do ele, “vão ocu­par o an­ti­go es­pa­ço das clas­ses mé­di­as ho­je en­ve­lhe­ci­das”. A se­guir, os me­lho­res tre­chos da con­ver­sa.

As al­tas ta­xas de vo­tos nu­los e bran­cos nas pes­qui­sas coin­ci­dem com uma on­da de teses em que a de­mo­cra­cia é acu­sa­da de não con­se­guir aten­der às de­man­das de uma so­ci­e­da­de di­gi­tal e glo­ba­li­za­da. Vê re­la­ção en­tre os dois? Não dá pa­ra fa­lar da de­mo­cra­cia no Bra­sil sem fa­lar de uma cri­se que te­mos no sis­te­ma de­mo­crá­ti­co no mun­do oci­den­tal in­tei­ro. Ele vi­veu, de um sé­cu­lo pa­ra cá, al­tos e bai­xos. Pri­mei­ro a fa­se de as­cen­são da li­be­ral de­mo­cra­cia até a cri­se nos anos 20, de­pois as eta­pas de re­gi­mes au­to­ri­tá­ri­os, in­clu­si­ve no Bra­sil. Na­zis­mo, fas­cis­mo e es­tra­gos da Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al fo­ram se­gui­dos de no­vo pe­río­do de êxi­to do sis­te­ma de­mo­crá­ti­co. Por aqui hou­ve um hi­a­to com o re­gi­me mi­li­tar e en­fim a re­de­mo­cra­ti­za­ção, que trou­xe mui­tas es­pe­ran­ças, até exa­ge­ra­das. No en­tan­to, a cri­se que te­mos ho­je é di­ver­sa das ou­tras. É mais pro­fun­da, re­pre­sen­ta uma vi­ra­da.

Por que uma vi­ra­da?

O dis­cur­so mu­dou. O que se diz, ago­ra, é que a de­mo­cra­cia não es­tá dan­do con­ta. E por que is­so acon­te­ce? Por­que a es­tru­tu­ra da so­ci­e­da­de mu­dou. Não fa­lo de prin­cí­pi­os mo­rais ou de com­por­ta­men­to. Fa­lo no sen­ti­do de que não há mais um sis­te­ma fabril in­dus­tri­al co­mo o do pas­sa­do. As clas­ses, tal co­mo exis­ti­ram na­que­la fa­se, de­sa­pa­re­ce­ram. Ho­je te­mos mais uma so­ci­e­da­de de mas­sas do que de clas­ses. E is­so re­sul­tou, no nos­so ca­so, nu­ma cri­se dos par­ti­dos.

Co­mo de­fi­ni­ria es­sa cri­se? Co­me­ce­mos lem­bran­do que o Bra­sil nun­ca te­ve co­e­são so­ci­al, a con­sis­tên­cia e a fi­de­li­za­ção de um gru­po a uma ideia – en­fim, par­ti­dos que de fa­to “re­pre­sen­tas­sem” gru­pos. Mas em dé­ca­das pas­sa­das, bem ou mal os par­ti­dos ti­nham al­gu­ma fi­si­o­no­mia ide­o­ló­gi­ca e de clas­se. Ha­via três gran­des le­gen­das, PSD, PTB e UDN. Era Juscelino con­tra Lacerda… A dis­pu­ta re­pre­sen­ta­va, sem er­ro, a di­nâ­mi­ca so­ci­al. Ho­je são tan­tos par­ti­dos e ne­nhum tem de fa­to um chão na so­ci­e­da­de. Não re­pre­sen­tam os re­pre­sen­ta­dos. Le­vam a uma des­mo­ra­li­za­ção to­tal da de­mo­cra­cia.

A que atri­bui es­sa de­ca­dên­cia? Acon­te­ceu um gran­de er­ro co­me­ti­do pe­lo Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral – o de ter der­ru­ba­do lá atrás a cláu­su­la de bar­rei­ra e per­mi­tir o apa­re­ci­men­to de dú­zi­as de par­ti­dos. Mas o fenô­me­no é mais am­plo. A so­ci­e­da­de mu­dou, e tam­bém a po­lí­ti­ca. No pas­sa­do pe­lo me­nos ha­via li­mi­tes que nin­guém se atre­via a ul­tra­pas­sar, eti­ca­men­te fa­lan­do. No atu­al re­gi­me par­ti­dá­rio se tro­ca de le­gen­da por tu­do ou por na­da, pa­ra ven­der apoio, com­prar con­for­to. Im­plan­tou-se uma cor­rup­ção sis­tê­mi­ca co­mo nun­ca se viu.

Há du­as crí­ti­cas bá­si­cas quan­to ao re­gi­me de­mo­crá­ti­co: que par­te da so­ci­e­da­de não se in­te­res­sa por po­lí­ti­ca e que de­sa­fi­os cru­ci­ais – meio am­bi­en­te, ex­plo­são de­mo­grá­fi­ca, po­der fi­nan­cei­ro, cri­me or­ga­ni­za­do – são ho­je de or­dem pla­ne­tá­ria. O que pen­sa dis­so?

É fa­to que os Es­ta­dos na­ci­o­nais não dão mais con­ta des­sa re­a­li­da­de mun­di­al. O des­com­pas­so é cla­ro e is­so põe as de­mo­cra­ci­as con­tra a pa­re­de. A re­a­li­da­de da glo­ba­li­za­ção trom­ba com a es­trei­te­za dos Es­ta­dos na­ci­o­nais e is­so va­le não só no uni­ver­so da po­lí­ti­ca mas pa­ra to­dos os ou­tros. Mas di­zer pa­ra on­de is­so apon­ta se­ria me­ro exer­cí­cio de adi­vi­nha­ção. E fi­ca ain­da mais com­pli­ca­do com a vi­tó­ria de um Do­nald Trump e sua po­lí­ti­ca, apoi­a­da por uma mas­sa que não quer ver es­sa re­a­li­da­de.

Co­mo se re­sol­ve­ria?

Tal­vez com a cri­a­ção de or­ga­nis­mos in­ter­na­ci­o­nais que ti­ves­sem po­der de de­ci­são. Mas a ex­pe­ri­ên­cia da ONU re­ve­la tam­bém os li­mi­tes dis­so. A ins­ti­tui­ção vi­ve pa­ra­li­sa­da por um mun­do de ve­tos. Os cin­co paí­ses do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça ad­qui­ri­ram o po­der de im­pe­dir qual­quer coi­sa que não lhes agra­de. Ima­gi­no aqui du­as hi­pó­te­ses. Uma oti­mis­ta: nós va­mos ter de che­gar lá, por­que os fa­tos vão se im­por. Ve­ja co­mo os chi­ne­ses es­tão se vi­ran­do pa­ra en­fren­tar a ca­la­mi­da­de da po­lui­ção. A hi­pó­te­se pes­si­mis­ta é o que já dis­se Clau­de Lé­vi S­trauss: que um dia o mun­do vai aca­bar (ri­sos).

Ou­tra co­bran­ça é que a de­mo­cra­cia fi­cou mui­to len­ta an­te o avan­ço da cul­tu­ra di­gi­tal. Es­tas en­fra­que­ce­ram as for­mas tra­di­ci­o­nais de or­ga­ni­za­ção e lu­ta po­lí­ti­ca. Con­cor­da? Sim, e o qua­dro das elei­ções des­te ano no Bra­sil é um exem­plo dis­so. A frag­men­ta­ção que ve­mos no uni­ver­so po­lí­ti­co nun­ca ocor­reu an­tes. Mas é bom lem­brar que te­mos na so­ci­e­da­de gru­pos uni­dos por re­li­gião, por ou­tras cau­sas co­muns, nas quais os fi­li­a­dos man­têm um ne­xo com seu re­pre­sen­tan­te. Daí a ati­vi­da­de das ban­ca­das da ba­la, a ru­ra­lis­ta, os evan­gé­li­cos. A sin­di­ca­lis­ta foi ati­va, ho­je es­tá nu­ma cri­se enor­me.

Es­ses gru­pos são os ver­da­dei­ros par­ti­dos de ho­je?

É o que te­mos. Ha­ve­ria uma qu­ar­ta for­ça que se mos­tra ati­va na ce­na po­lí­ti­ca, o PT – mas ele ig­no­rou sua mis­são ori­gi­nal, vi­rou um cam­peão da cor­rup­ção sis­tê­mi­ca e mer­gu­lhou em pro­fun­da cri­se. A con­clu­são que me ocor­re dis­so tu­do é pra­ti­car um sa­dio ce­ti­cis­mo, que não é o ni­i­lis­mo.

Um pas­so adi­an­te se­ria uma re­es­tru­tu­ra­ção par­ti­dá­ria?

Sim, mas é bom lem­brar que a so­ci­e­da­de avan­çou mui­to em no­vos as­pec­tos. Te­mos uma boa ofer­ta de or­ga­ni­za­ções so­ci­ais, mo­vi­men­tos con­tra o ra­cis­mo, das lés­bi­cas, dos gays. A per­gun­ta é: por que es­ses gru­pos não con­se­guem atu­ar no mun­do das de­ci­sões po­lí­ti­cas?

Tal­vez por­que, no ge­ral, en­fren­tem a apa­tia da so­ci­e­da­de?

Não me pa­re­ce. A so­ci­e­da­de não tem uma apa­tia ao pla­no elei­to­ral. Ela tem é de­sen­can­to, que é uma coi­sa di­fe­ren­te. As pes­so­as que­rem vo­tar. Quan­tos vo­tos te­ve a Ma­ri­na em 2014, por exem­plo? Acho que se os par­ti­dos cum­pris­sem di­rei­to a sua par­te a so­ci­e­da­de es­ta­ria ho­je ani­ma­da com a dis­pu­ta elei­to­ral. E cla­ro que es­se elei­to­ra­do te­ria tam­bém a ilu­são – a pa­la­vra é es­sa – de que um pre­si­den­te re­sol­ve tu­do.

O es­tu­di­o­so Ja­son Bren­nan Ban­ner di­vi­de a so­ci­e­da­de em três gru­pos: os “hob­bits” (de­sin­te­res­sa­dos), os “ho­o­li­gans” (fa­ná­ti­cos) e os “vol­cans” – a mi­no­ria que de­ba­te e bus­ca o equi­lí­brio. Ele diz que só es­tes de­ve­ri­am po­der vo­tar…

Es­se qua­dro faz sen­ti­do nos Es­ta­dos Uni­dos, acho. Aqui, bem me­nos. O que ve­jo no Bra­sil é uma cres­cen­te on­da no sen­ti­do de “que se vayan to­dos”. Vo­cê tem uma saí­da pa­ra is­so, que é o vo­to fa­cul­ta­ti­vo: se eu não me in­te­res­so, não vou vo­tar. Mas va­le­ria a pe­na in­tro­du­zir no Bra­sil o vo­to fa­cul­ta­ti­vo? Pes­so­al­men­te, acho que não. Por­que as mi­no­ri­as or­ga­ni­za­das iri­am to­mar con­ta da po­lí­ti­ca, do po­der. Acho que tem ou­tro da­do a con­si­de­rar. É que a so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra tem uma clas­se mé­dia que é mó­vel.

E o que sig­ni­fi­ca uma clas­se mé­dia mó­vel?

Fa­lo de uma clas­se mé­dia emer­gen­te, li­ga­da aos ser­vi­ços, à tec­no­lo­gia, a pe­que­nos ne­gó­ci­os… Pa­ra on­de ela vai? Que ta­ma­nho vai ter? Não sa­be­mos, mas is­so aca­ba­rá ten­do um pe­so po­lí­ti­co aí pe­la fren­te. Eles vão ocu­par o es­pa­ço das clas­ses mé­di­as ar­cai­cas que não têm mais lu­gar. E es­tas in­clu­em os se­to­res li­ga­dos ao fun­ci­o­na­lis­mo pú­bli­co, igual­men­te em de­clí­nio e de­pen­den­te de um Es­ta­do mer­gu­lha­do em imen­sa cri­se fis­cal.

A clas­se in­te­lec­tu­al, nis­so tu­do, tem cum­pri­do seu pa­pel de in­ves­ti­ga­ção, aná­li­se e ori­en­ta­ção pa­ra o País?

Acho que es­tá aquém des­ses pro­ble­mas. So­bre­tu­do con­ta­mi­na­da por um ví­rus do ti­po “te­nho ra­zão e não que­ro sa­ber o que vo­cê pen­sa”.

Ou se­ja, ela tem uma vi­são au­to­ri­tá­ria?

Não di­ria ne­ces­sa­ri­a­men­te au­to­ri­tá­ria, mas que se re­su­me ao se­guin­te: o Lu­la fez gran­des trans­for­ma­ções pa­ra as clas­ses po­bres e en­tão é ra­zoá­vel acei­tar a cor­rup­ção co­mo um mal me­nor. Ora, de­ve­ri­am fa­zer uma aná­li­se se­re­na, se­gu­rar es­sa sim­pa­tia to­da, ava­li­ar o que mu­dou de fa­to e o que é pro­pa­gan­da… Es­sa fun­ção fal­ta no nos­so meio aca­dê­mi­co. Fal­ta ou­vir o ou­tro. A iden­ti­fi­ca­ção ide­o­ló­gi­ca com os mais po­bres per­mi­te acei­tar coi­sas ina­cei­tá­veis.

Sonia Racy para O Estado de São Paulo

Thereza Christina Pereira Jorge

Iniciamos com Viva com Beleza Envelhecimento Ativo há 10 anos. E estamos aprendendo a Arte de Envelhecer, e que Arte difícil! O site trata da descoberta do meu Envelhecimento Ativo. Consultoria em Envelhecimento Ativo [email protected] Meu nome é Thereza Christina Pereira Jorge, sou carioca, mãe de dois filhos, jornalista. Estudo há sete anos e Envelhecimento Ativo e escrevo sobre isso. Primeiro no blogue Viva com Beleza e agora no site Arte de Envelhecer. Fui repórter-editora nos jornais O Globo e sucursal Rio de O Estado de São Paulo. Trabalhei nas revistas femininas da Editora Bloch e na revista Isto É, também na sucursal. Sou formada em Ciências Sociais pela UFRJ. O site _ https://www.artedeenvelhecer.com.br _ é muito autobiográfico porque estou descobrindo e praticando o que a OMS definiu como Envelhecimento Ativo. Amo a vida e o viver. Tenho apreciado (às vezes) o meu envelhecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo