Envelhecimento Ativo é …

Envelhecimento Ativo é …

janeiro 10, 2017 0 Por Thereza Christina Pereira Jorge

coco-chanel-2635474112963673316

Envelhecimento Ativo é … se considerar “um clássico”. Como Chanel.

Velha é um substantivo / adjetivo que deixou de ser usado no século passado.

Certa vez,  perguntaram à grande Mademoiselle Chanel: “Quando é que a senhora começou a se sentir velha? Ela respondeu:  “nunca. Sou um clássico; clássicos não envelhecem.”

Só coisas envelhecem. Uma roupa (menos um tailleur Chanel). Um sapato.Um móvel. Coisas.

Noutro  dia, um rapaz quis ser gentil comigo e tomar o meu lugar na fila do  supermercado.  “A senhora não prefere ir para a caixa das prioridades? Respondi: “não, jovem, nós, idosos, demoramos muito para os devidos procedimentos no caixa do supermercado. Aqui a fila é de todos e há cinco caixas, onde tudo é mais rápido.” Ele continuou atrás de mim.

Desce o pano.

Não me incomodo de receber o protocolo que a sociedade definiu para idosos e idosas mas não gosto da ponta de ironia que vem no pacote “para os mais velhos”. Como acho muito feio usar o envelhecimento como vantagem e arrogância.  Idosos impacientes, grosseiros e arrogantes devem ter sido crianças e adultos mal-educados.

Voltando ao assunto desse artigo. Noutro dia fiquei contente da vida quando o moço que veio entregar a feira por telefone disse para mim: “madame pode deixar que eu coloco as compras. Achei esse título com a sonoridade dos concedidos pela realeza aos súditos. E me alegrei novamente quando o taxista me devolveu um troco irrisório e eu disse: não precisa, pode ficar. Muito obrigado, madame…

Acho que algo da nobreza de alma conferida pelo envelhecimento é visível  no meu rosto.

Antigamente, me chamavam de tia na rua …. e eu detestava. Tenho mais de 20 sobrinhos e sobrinhos-netos e amo quando eles me chamam assim.

Noutro dia perguntei a uma garota, de 12 anos, minha aluna  da comunidade da igreja da qual sou membro, porque tinham me chamado de madame também ali. “Não liga, Thereza, é porque você parece gringa, só isso.”

Thereza Christina Jorge, editora