Envelhecimento Ativo,  uma  Utopia?

Envelhecimento Ativo, uma Utopia?

maio 19, 2017 0 Por Thereza Christina Pereira Jorge

flyer_vacinacao_idosos_21x1

Utopia?

Embora o nosso site lute pelo envelhecimento ativo democrático da população brasileira, sabemos que isso faz parte da Utopia Brasil .

Temos publicado  fotos e desenhos ingênuos porque a editora se preocupa em conscientizar os idosos que podem escolher. E que devem , voluntariamente, se ocupar daqueles que não podem.

Sabemos que a realidade está muito longe dessa Utopia, haja visto o Estatuto do Idoso. Ele representa um avanço  mas está para a nossa realidade como o artigo da  Constituição brasileira “todos são iguais perante a lei.”

 Definição

A Organização Mundial da Saúde cunhou o termo Envelhecimento Ativo

Se quisermos que o envelhecimento seja uma experiência positiva, uma vida mais longa deve ser acompanhada de oportunidades contínuas de saúde, participação e segurança.

“O envelhecimento ativo aplica-se tanto a indivíduos quanto a grupos populacionais. Permite que as pessoas percebam o seu potencial para o bem-estar físico, social e mental ao longo do curso da vida, e que essas pessoas participem da sociedade de acordo com suas necessidades, desejos e capacidades; ao mesmo tempo, propicia proteção, segurança e cuidados adequados, quando necessários.

A palavra “ativo” refere-se à participação contínua nas questões sociais, econômicas, culturais, espirituais e civis, e não somente à capacidade de estar fisicamente ativo ou de fazer parte da força de trabalho. As pessoas mais velhas que se aposentam e aquelas que apresentam alguma doença ou vivem com alguma necessidade especial podem continuar a contribuir ativamente para seus familiares, companheiros, comunidades e países.

O objetivo do envelhecimento ativo é aumentar a expectativa de uma vida saudável e a qualidade de vida para todas as pessoas que estão envelhecendo, inclusive as que são frágeis, fisicamente incapacitadas e que requerem cuidados. O termo “saúde” refere-se ao bem-estar físico, mental e social, como definido pela Organização Mundial da Saúde. Por isso, em um projeto de envelhecimento ativo, as políticas e programas que promovem saúde mental e relações sociais são tão importantes quanto aquelas que melhoram as condições físicas de saúde.

Manter a autonomia e independência durante o processo de envelhecimento é uma meta fundamental para indivíduos e governantes .

Além disto, o envelhecimento ocorre dentro de um contexto que envolve outras pessoas – amigos, colegas de trabalho, vizinhos e membros da família.

A qualidade de vida que as pessoas terão quando avós depende não só dos riscos e oportunidades que experimentarem durante a vida, mas também da maneira como as gerações posteriores irão oferecer ajuda e apoio mútuos, quando necessário.

Politicamente Correto

Praticar o envelhecimento ativo é  politicamente correto porque nos empodera. Em vez de despesas, produziremos para que o Brasil cuide dos mais necessitados. E  diante da nossa responsabilidade de  cidadã, cidadão, os idosos ativos  podem ser  cuidadores  voluntários dos  idosos com menos qualidade  de vida.

E eu com isso?  

18222515_1444257702306687_4217575858171438495_n

Meu nome é Thereza Christina Pereira Jorge, 70  anos, carioca, mãe de dois filhos, jornalista. Fui repórter-editora nos jornais O Globo e sucursal Rio de O Estado de São Paulo. Trabalhei nas revistas femininas da Editora Bloch e na revista Isto É, também na sucursal. Sou formada em Ciências Sociais pela UFRJ. Este site  é muito biográfico porque estou descobrindo e praticando o que a OMS definiu como Envelhecimento Ativo. Amo a vida e o viver. Para mim, envelhecer é  uma dor  administrável. E   também prazer.

Foto: à  partir da esquerda, Helga Fanini, Elvira Moraes Ornella, Thereza, Adriana Vieira e Evelise Cavancanti, no dia  em que  completei 70 anos, em julho passado.

Thereza Christina  Jorge, editora