Esta é a nossa Praia

 
 
 
 
Nos anos oitenta e noventa, Benidorm (Alicante, Espanha) foi a diva dos destinos de férias na península ibérica. Ingleses, irlandeses, alemães, belgas, holandeses e portugueses procuravam no sudeste espanhol temperaturas altas, águas tépidas e as areias finas da costa mediterrânica. 
 
A fotógrafa espanhola Maria Moldes passou ali os verões de 2014 e 2015 e constatou que alguns dos antigos turistas se mantinham fiéis ao local. Que, presentemente, Benidorm é onde a terceira idade europeia se sente em casa. “É um lugar barato e tem sol quase todo o ano”, justifica a fotógrafa, que reside em Alicante, a meia hora de distância do clássico balnear. 
 
“Neste meu primeiro projeto quis reflectir o lado mais ‘kitsch’ e a questão do envelhecimento”, disse ao P3. “Quis romper com os cânones tradicionais de beleza e dar protagonismo a pessoas menos jovens. Estas são cenas totalmente quotidianas com laivos de surrealismo, carregadas de cor, vitalidade e ironia”, observa Maria. 
 
A fotógrafa espanhola realizou todo o projeto com recurso a um “smartphone”, alimentando constantemente a sua conta de instagram. “Achei divertido e estimulante utilizar um aparelho que não foi especificamente construído para fazer fotos”, comentou. 
 
Conteúdo p3.publico.pt

Thereza Christina Pereira Jorge

Iniciamos com Viva com Beleza Envelhecimento Ativo há 10 anos. E estamos aprendendo a Arte de Envelhecer, e que Arte difícil! O site trata da descoberta do meu Envelhecimento Ativo. Consultoria em Envelhecimento Ativo [email protected] Meu nome é Thereza Christina Pereira Jorge, sou carioca, mãe de dois filhos, jornalista. Estudo há sete anos e Envelhecimento Ativo e escrevo sobre isso. Primeiro no blogue Viva com Beleza e agora no site Arte de Envelhecer. Fui repórter-editora nos jornais O Globo e sucursal Rio de O Estado de São Paulo. Trabalhei nas revistas femininas da Editora Bloch e na revista Isto É, também na sucursal. Sou formada em Ciências Sociais pela UFRJ. O site _ https://www.artedeenvelhecer.com.br _ é muito autobiográfico porque estou descobrindo e praticando o que a OMS definiu como Envelhecimento Ativo. Amo a vida e o viver. Tenho apreciado (às vezes) o meu envelhecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo