Hoje acordei me sentindo adequada, de corpo e alma

adequ

 

Hoje  acordei  sentindo-me de corpo  e  alma confortável. Hoje amanheci me sentindo completamente adequada. Em paz. E mais; me senti viva e parte da Vida.
Amor novo? Não. Aquisição de algo que desejava muito? Também não. Um novo amigo? No. Uma produção (de moda) que não havia conseguido, finalmente chegou. Não.
A felicidade é tão simples. A gente complica e vai pela vida fora complicando cada vez mais. Acho que envelhecer deve trazer desprendimento; simplificação no viver. É olhar o passado como aquelas roupinhas de bebê que a gente lava, passa, coloca um sachê de alfazema e guarda como lembrança.
Furou o programa com amigo querido? Furou, sim. Me observei e pensei se queria ir ao tal programa porque encontraria conhecidos que estimo muito. Não. É tempo de quietude e descanso. Comida e sono. Pouca comida e muito sono. Felicidades ao alcance de todos. Se acontecer um amor outonal, melhor ainda. E exercícios suaves mas 3 vezes por semana, com “força e fé.”
Penso que o meu “treinamento” de lidar com a solidão durante um período longo e numa cidade desconhecida, tem me trazido em alguns momentos paz e gratidão à vida.
Não sinto esta adequação todos os dias. Nem este “sentimento de mundo” como descrevia o poeta Carlos Drummond de Andrade.
Gosto tanto da minha casa quando estou me sentindo bem como hoje. Dormi tudo que queria e precisava (ao contrário maioria dos maduritos) preciso de 10 a 12 horas de sono. Bem durmo cedo, é certo. E reservo para os momentos que antecedem ao sono uma hora de leitura mais ou menos. Estou lendo História & Literatura (Francisco Iglésias), Assim falou Zaratustra, uma edição da L&PM pocket mangá (quadrinhos) e o Conto da Ilha (José Saramago) e Cartas A Cristina (Paulo Freire) e Cristianismo Puro e Simples (C.S. Lewis). Esses títulos são os de agora, o que não quer dizer que leio todos ao mesmo tempo.
Como retardatária de lançamentos (filmes, vídeos, livros) estou apaixonada pelo documentário de Nelson Pereira dos Santos A Música de Antonio Carlos Jobim. Me tocou tão fundo. Me tenho a sorte de ser contemporânea dei conta que pertenço a uma geração de Notáveis. Tom Jobim, João Gilberto, Caetano, Gal, Gil ,Glauber, Antonio Cícero, Ana Cristina César, Paulo Leminski, Nara Leão e a lista é enorme…
O aparelho que minha filha Mariana Tavares de Araujo me deu no aniversário _ Apple TV_ “abriu exponencialmente a janela da minha alma”. Posso ter programas visuais para o resto da minha vida. Muitos grátis (Netflix, R$ 19,00) e quando quero porque quero ver determinado filme, como o sobre Dior, gasto cerca de R$20.
Cada vez penso mais na morte e gosto da sensação de me dissolver no Amor. Agora, não. Nas minhas orações peço sempre a bênção de ser uma centenária saudável porque amo viver e tenho uma insaciável curiosidade em relação à vida.

Thereza Christina Jorge, editora

Thereza Christina Pereira Jorge

Iniciamos com Viva com Beleza Envelhecimento Ativo há 10 anos. E estamos aprendendo a Arte de Envelhecer, e que Arte difícil! O site trata da descoberta do meu Envelhecimento Ativo. Consultoria em Envelhecimento Ativo [email protected] Meu nome é Thereza Christina Pereira Jorge, sou carioca, mãe de dois filhos, jornalista. Estudo há sete anos e Envelhecimento Ativo e escrevo sobre isso. Primeiro no blogue Viva com Beleza e agora no site Arte de Envelhecer. Fui repórter-editora nos jornais O Globo e sucursal Rio de O Estado de São Paulo. Trabalhei nas revistas femininas da Editora Bloch e na revista Isto É, também na sucursal. Sou formada em Ciências Sociais pela UFRJ. O site _ https://www.artedeenvelhecer.com.br _ é muito autobiográfico porque estou descobrindo e praticando o que a OMS definiu como Envelhecimento Ativo. Amo a vida e o viver. Tenho apreciado (às vezes) o meu envelhecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo