No inverno não superproteja seu Pet

julho 21, 2016 0 Por Thereza Christina Pereira Jorge

Inverno: estação do ano com baixas temperaturas e mais incidência no aparecimento de doenças. Se para os humanos o período requer cuidados especiais, para os animais as medidas são bem parecidas ou até maiores. Da alimentação ao tipo de conforto oferecido aos animais, o cuidado nesta época do ano é essencial para garantir a saúde dos pets. Mas cuidado com a superproteção: ele não é o seu bebê. 

Segundo a médica veterinária Monica Margarido, proprietária da clínica veterinária Mon Pet, o inverno é a estação do ano em que os animais de estimação estão mais suscetíveis a contrair doenças, principalmente as que acometem as vias respiratórias, devido a poluição, por isso, o cuidado deve ser redobrado. “Entre os animais domésticos é mais comum à ocorrência de doenças respiratórias, com destaque para a gripe canina e as rinotraqueítes virais e calicivirose, que acometem os felinos”, afirma.

Um alerta importante nesta época do ano é com a baixa ingestão de água dos animais que, com o frio, tende a ser menor e é aí, que pode se iniciar uma complicação respiratória. “Entende-se que nos meses mais frios, o consumo de água seja menor, o que faz com que as secreções das vias respiratórias se tornem mais espessas, dificultando sua eliminação e promovendo a retenção de partículas. Além disso, no inverno, devido à menor ocorrência de chuvas, há acúmulo de partículas de poluição, o que promove a ocorrência de processo inflamatório em vias aéreas, com aumento de secreção”, explica Dra. Monica.

Hora de aquecê-los!
Ficar quentinho nesta época é essencial, mas para algumas raças de cães e gatos esse cuidado deve ser ainda maior. É o caso de cães das raças Boxer e Pinscher e de gatos das raças Siamês e Bombay, que possuem pouco ou nenhum pelo. “Os pelos são proteções naturais, mas sua ausência pode fazer com que esses animais sofram mais no inverno. Por isso, o uso de cobertores nas camas dos pets ou nos locais que estão habituados a ficar é fundamental para promover essa proteção contra o frio” explica Dra. Monica.
Cuidados especiais
Além da importância de mantê-los aquecidos, o inverno também exige outros cuidados, como: banhos, passeios, vacinação, etc. Confira como aproveitar o inverno sem descuidar dos pets.
Vacinas
Existem vacinas para a prevenção de algumas doenças respiratórias em animais domésticos. Pode-se citar a vacina contra a gripe canina, a qual é dirigida contra a bactéria Bordetella bronchiseptica e pode ser aplicada tanto por via intra-nasal, como por injeção subcutânea.  Essa vacina não necessariamente evita o contágio, mas reduz as formas menos severas de manifestação da doença, bem como a dispersão do vírus pelo meio ambiente. Para os gatos existem as vacinas contra rino-traqueíte e também contra a calicivirose. À semelhança do que foi citada para os cães, essas vacinas também não promovem 100% de proteção, mas reduzem as manifestações graves e a disseminação dos vírus no meio ambiente.
Banhos
Os banhos devem ser realizados em locais fechados, protegidos do frio e preferencialmente dados com água morna, não muito quente para que não ocorra choque térmico. Deve-se também aumentar os intervalos entre os banhos, evitando-se realizar tosas radicais nessa época. De qualquer forma, o animal precisa ser secado muito bem e não deixa-lo em ambientes abertos após o banho. “Após o banho, manter os animais aquecidos, utilizando uma manta ou protegendo a superfície que ele estará, é fundamental para evitar expô-lo ao frio logo na sequência do banho. Utilizar um produto não alérgico pode ser ainda mais recomendado nesta época do ano”, explica Katz.
Passeios
Em dias com temperaturas muito baixas os animais devem ser protegidos com roupas apropriadas para eles. Isso deve ser principalmente observado para aqueles animais que são habituados a fazer suas necessidades  durante os passeios, uma vez que necessitam sair do abrigo. 
Já para aqueles animais habituados a fazerem suas necessidades em locais apropriados dentro de casa, deve-se evitar os passeios ao ar livre, a menos que estejam muito bem protegidos. Deve-se entender que, apesar dos pelos, os animais também sentem frio, assim como nós, humanos.  

Mais informações podem ser obtidas no sitewww.jolitexhomepet.com