O que é. E para que ser a Intuição

maio 2, 2016 0 Por Thereza Christina Pereira Jorge


A intuição é um elemento que entra em quase todas as tomadas de decisão, mesmo nas mais complexas. Mais: a sua importância é tal que um dos seus estudiosos recebeu um premio Nobel devido a seu trabalho sobre a intuição nas tomadas de decisão _  Herbert A. Simon, Nobel de Economia em 1978 _. 
Racionalidade versus emocionalidade é a equação das decisões inteligentes (prudentes, ajuizadas, críticas)
A intuição fornece impressões que partem de um outro nível, menos precisa na sua definição, mas amplamente usada pelas pessoas inteligentes. É um saber que não se sabe de onde vem mas que está lá na hora das decisões. A elaboração mental de uma escolha deve pois juntar a razão, a emoção, a informação credível e a intuição. Nada fica garantido quanto ao sucesso de uma decisão pois outros fatores nos escapam. Mas isso se trata de um risco que todos sempre cometemos e a que é difícil escaparmos.
Mas o que é a intuição? 
Segundo os últimos dados científicos a intuição é um tipo de pensamento que assenta em mecanismos mentais inconscientes como a percepção, a aprendizagem e a memorização. Tudo somado chega-se à conclusão que a intuição pode também ser entendida como uma forma de “conhecimento implícito”, ou seja, conjunto de informações que guiam as pessoas nas tomadas de decisão e nas ações sem que elas tenham consciência da sua proveniência.
O segredo reside no fato de captarmos muita informação e aprendermos muitas coisas sem que tenhamos consciência disso. Nossa mente consciente tem uma capacidade limitada de gerir a informação mas a um outro nível e através das várias portadas sensoriais (os sentidos) também entra muita informação. Não é raro ouvirmos os pais dizerem que seus filhos, mesmo estando distraídos com algo, acabam “captando” conversas que se passam a seu lado.
A Inteligência utiliza a Intuição
Se a inteligência é o resultado de uma série de conjugações e de fatores, podemos admitir que a intuição não lhe seja estranha. O indivíduo inteligente é também um sujeito que sabe usar sua intuição. Ele aprende a ler nas subtilezas dos eventos, nos pormenores que escapam à maioria. E faz outra coisa deveras importante: reúne muita informação. Ele não se satisfaz apenas com o que sabe. Ele é um curioso e gosta de saber mais e mais, indo além da sua especialização. Sua intuição é assim o resultado de saberes e experiências acumuladas.
Diz-se também que a intuição é uma forma de inteligência muito antiga que ainda possuímos. Em épocas primitivas, em que o saber era muito reduzido e pouco se conhecia do mundo, a mente humana desenvolveu um sentido de sobrevivência baseado em impressões e emoções primordiais que ajudaram a desenvolver a intuição. Dá para acreditar.