Quando a culpa é da Genética


Por que determinadas pessoas parecem ser mais novas ou mais velhas que outras mesmo com a mesma idade cronológica? Especialistas afirmam que a genética é determinante em ao menos 60% do processo de envelhecimento. O restante fica a cargo do estilo de vida de cada um.
“A carga genética é muito importante. Tem famílias que aparentam o envelhecimento muito mais cedo que outras. É uma característica genética e pessoal”, afirma Claudio Wulkan, dermatologista do Hospital Israelita Albert Einstein. “Tem pessoas com menos de 25 anos que já têm bigode chinês, sulcos faciais muito profundos. E tem gente de 40 que ainda não tem.”
Recentemente, uma pesquisa holandesa identificou que uma variante do gene MC1R fazia com que as pessoas aparentassem ser dois anos mais jovens, independente da idade cronológica, sexo e quantidade de rugas. Ele seria encontrado principalmente em pessoas com pele clara e cabelos ruivos.
Outro estudo, dessa vez da Suécia, constatou que genes que herdamos de nossas mães têm papel fundamental na velocidade do envelhecimento de nossos corpos. Eles observaram que quanto mais DNA mitocondrial danificado é herdado da mãe, mais rápido um indivíduo ficará velho.
Essas pesquisas são importantes para tentar retardar os efeitos do tempo, mas precisam ser bem avaliadas, segundo Ciro Martinhago, geneticista da Sociedade Brasileira de Genética Clínica. “A pesquisa sobre os ruivos, por exemplo, foi feita na Holanda, que tem uma população muito homogênea. Possivelmente aquela variante pode não ser confirmada na população brasileira, que é bem heterogênea.”

Determinados grupos também possuem alguns fatores genéticos que retardam o envelhecimento aparente. “Isso acontece com orientais e negros. Uma pele mais grossa, por exemplo, tem melhor sustentação, diminuindo os efeitos do Sol”, afirma Wulkan.

Thereza Christina Pereira Jorge

Iniciamos com Viva com Beleza Envelhecimento Ativo há 10 anos. E estamos aprendendo a Arte de Envelhecer, e que Arte difícil! O site trata da descoberta do meu Envelhecimento Ativo. Consultoria em Envelhecimento Ativo [email protected] Meu nome é Thereza Christina Pereira Jorge, sou carioca, mãe de dois filhos, jornalista. Estudo há sete anos e Envelhecimento Ativo e escrevo sobre isso. Primeiro no blogue Viva com Beleza e agora no site Arte de Envelhecer. Fui repórter-editora nos jornais O Globo e sucursal Rio de O Estado de São Paulo. Trabalhei nas revistas femininas da Editora Bloch e na revista Isto É, também na sucursal. Sou formada em Ciências Sociais pela UFRJ. O site _ https://www.artedeenvelhecer.com.br _ é muito autobiográfico porque estou descobrindo e praticando o que a OMS definiu como Envelhecimento Ativo. Amo a vida e o viver. Tenho apreciado (às vezes) o meu envelhecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo