Saúde com moderação

Após perder 27 kg e finalmente conquistar uma barriga “tanquinho”, a funcionária pública Thaís Sundfeld, 32, passou a controlar rigidamente a alimentação. O desejo de comer de forma saudável era tanto que passou a prejudicar sua vida pessoal. “Uma refeição fora de casa, mesmo na casa da minha avó, gerava um estresse enorme. Sentia culpa e ansiedade. Não conseguia fazer concessões”, explica.
Desenvolveu pânico de comer na frente de conhecidos e chegou a levar marmita para a festa de casamento da irmã. Ambas sofreram com a chamada ortorexia: um comportamento obsessivo em relação à comida. Além de pôr em risco a saúde, com a falta de nutrientes essenciais, a ortorexia ainda atrapalha significativamente as relações sociais e afetivas.
“A preocupação excessiva com a alimentação passa a dominar a vida da pessoa. Torna-se uma obsessão”, explica a médica Sandra Carvalhais, coordenadora da pós-graduação em psiquiatria do Instituto de Pesquisa e Ensino Médico, em São Paulo. Para os especialistas, a onda de blogs e redes sociais que disseminam informações sobre nutrição e dietas, muitas vezes equivocadas, acabam criando o ambiente ideal para paranoias alimentares.
O termo ortorexia –junção dos termos gregos “ortho”, correto, e “orexis”, apetite–surgiu no livro “Health Food Junkies” (Viciados em comida saudável) do médico americano Steven Bratman. Publicada em 1997, a obra já indicava a tendência do “vício” fora de limites por alimentos supostamente perfeitos.
Embora tenha havido cada vez mais trabalhos acadêmicos sobre o tema, a ortorexia ainda não é reconhecida como um transtorno alimentar distinto nos manuais de referência, como o DSM-5 da Sociedade Americana de Psiquiatria. A questão, porém, tem sido cada vez mais presente nos consultórios.
isolamento
Ainda que muitas vezes também cause emagrecimento excessivo, a ortorexiaé diferente da anorexia. Para a médica nutróloga Maria del Rosario, diretora da Abran (Associação Brasileira de Nutrologia) que tem longa experiência em transtornos alimentares, a principal questão é a autoimagem corporal.
“Quem tem anorexia se olha no espelho e se enxerga gordo, mesmo estando muito magro. O ortoréxico não costuma ter esse problema. Ele se vê magro, mas muda a alimentação por uma questão de saúde.” A ortorexia pode, inclusive, estar associada a outros distúrbios, sobretudo transtornos compulsivos.
Além disso, a pessoa com ortorexia se impõe tantas restrições que acaba sem conseguir comer com a família e os amigos. Esse isolamento pode levar a ansiedade e depressão, segundo del Rosario. Recém-formada em administração, Julia, 25, diz que teve dificuldades em participar dos eventos da universidade.
“Eu passava horas buscando na internet a maneira mais pura de me alimentar. Depois de um tempo, perdi a capacidade de comer algo que tivesse sido preparado por outra pessoa”, diz ela, que está em tratamento para a ortorexia há quatro meses.
Os especialistas indicam tratamento multidisciplinar, com psicólogo, psiquiatra e acompanhamento nutricional. Como as restrições alimentares podem ser diferentes, os efeitos da ortorexia variam de pessoa para pessoa. Há desde casos sérios de subnutrição até deficiências de nutrientes.
Hoje recuperada, Thaís diz que o apoio do marido e da família foram fundamentais. “Tem sido uma batalha em busca do equilíbrio, mas já consigo ir a uma festa e comer normalmente”, conta.
A servidora pública conta um pouco da sua rotina em um perfil no Instagram. Outras redes sociais e sites também têm sido um espaço para a troca de experiências e a busca de apoio, como a página “Como, logo me culpo”, criada no Facebook por Karina Guimarães e dedicada a ajudar portadores de diversos transtornos alimentares.
Conteúdo Autorizado UOL

Thereza Christina Pereira Jorge

Iniciamos com Viva com Beleza Envelhecimento Ativo há 10 anos. E estamos aprendendo a Arte de Envelhecer, e que Arte difícil! O site trata da descoberta do meu Envelhecimento Ativo. Consultoria em Envelhecimento Ativo [email protected] Meu nome é Thereza Christina Pereira Jorge, sou carioca, mãe de dois filhos, jornalista. Estudo há sete anos e Envelhecimento Ativo e escrevo sobre isso. Primeiro no blogue Viva com Beleza e agora no site Arte de Envelhecer. Fui repórter-editora nos jornais O Globo e sucursal Rio de O Estado de São Paulo. Trabalhei nas revistas femininas da Editora Bloch e na revista Isto É, também na sucursal. Sou formada em Ciências Sociais pela UFRJ. O site _ https://www.artedeenvelhecer.com.br _ é muito autobiográfico porque estou descobrindo e praticando o que a OMS definiu como Envelhecimento Ativo. Amo a vida e o viver. Tenho apreciado (às vezes) o meu envelhecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo