Vida e a comida: sem compulsão

março 24, 2016 0 Por Thereza Christina Pereira Jorge

Nada Muito: Comer bem e sem ansiedade


Nossa “pílula de bem-estar” desta semana indica um trecho importante do livro do médico nutrólogo João Curvo, com quem trabalhamos no volume Nada Muito Comer e Viver com Saúde e Prazer (Ed. Rocco) – uma longa entrevista sobre a alegria e a satisfação de comer bem, mas ao mesmo tempo mantendo a saúde e a boa forma.
Perguntamos ao Dr. Curvo o que é a compulsão alimentar. “A pessoa,” respondeu ele no livro, “perde o controle em relação à quantidade dos alimentos que está comendo e só para quando está empanturrada. Em geral, o compulsivo come depressa e, na maioria das vezes, às escondidas.”
“É frequente este indíviduo”, segundo ele, “já ter feito várias tentativas para emagrecer, acumulando sucessivos fracassos.” Em geral, ele tem o “sentimento de baixa autoestima, desesperança e medo intenso de engordar.”
“Mas utiliza a comida, compulsivamente, como forma imediata de lidar com o estresse e a ansiedade.”
E como a vida cotidiana contemporânea não se caracteriza, infelizmente, pela distensão, pelo relaxamento e pela paz, não é fácil, vamos reconhecer, tratar o distúrbio.
”Como este transtorno sempre é acompanhado por ansiedade, estresse e sofrimento,” conclui João Curvo, “o tratamento deve ser conduzido por médico nutrólogo ou nutricionista e psicólogo.”

Mas ele fornece algumas dicas que podemos seguir com facilidade. Por exemplo, não estocar guloseimas em casa e não fazer compras no supermercado quando estiver com fome E fazer seis refeições por dia – isto é importante – para que o corpo não sinta fome. E use o bom senso, um santo remédio. A máxima do Dr. Curvo – “bom senso nunca é demais” – deve estar sempre presente.

Léa Maria