Aprender a envelhecer é trabalhar sua Autonomia

Autor(a):

Autonomia : Capacidade de autogovernar-se, de dirigir-se por suas próprias leis ou vontade própria; soberania.

Tenho lido muitas notícias anunciando o rejuvenescimento radical, o controle das comorbidades do envelhecimento. Acredito que a Ciência vai chegar muito perto de adiar a Morte. Talvez, apenas para os ricos.

Uma ferramenta que tenho descoberto como fundamental para prolongar a qualidade de vida e controlar a velocidade do envelhecimento é muito simples. Ricos e pobres receberam este dom: autonomia.

É trabalhoso desenvolver essa ferramenta. O envelhecimento traz uma acomodação natural mas nem sempre positiva. Se a gente não reagir, ela toma conta. E vai nos enfraquecendo física e mentalmente.

No Manual de Enfrentamento à Violência contra a Pessoa Idosa (Brasília, 2014) consta que a dependência do idoso é um terreno fértil para as condutas violentas do seu cuidador/cuidadora, profissional ou informal.É confortável contar com a ajuda no cotidiano. “Você pode esquentar o meu almoço e me servir, por favor?”

Não há mal nenhum em certa “mordomia”. Ocorre que se ela não for  necessária _ uma pessoa que tem limitações, tudo bem _ o conforto excessivo vai nos fragilizar e atrapalhar muito.

Estudos revelaram que o exercício da autonomia prolonga a saúde, mantém a autoconfiança e cria defesas para resistir à violência.  É o que se chama de “idade subjetiva”. Sentir-se mais jovem pode ajudar a prolongar a vida.

Até então, a ideia de como chegar nesse “estado mental” (sentir-se mais jovem) não era muito clara.

A pesquisa foi desenvolvida por Jennifer Bellingtier, doutora em Filosofia, e apresentada na convenção anual da Associação Americana de Psicologia (APA, na sigla em inglês). Ela acompanhou, durante nove dias, 116 adultos com idades entre 60 e 90 anos, e 106 adultos de 18 a 36, segundo informações da revista Time.

A cada dia, os participantes respondiam com quantos anos e com quanto controle sobre suas vidas eles se sentiam.  A variação dessa “idade subjetiva”, já estudada anteriormente, mostrou-se presente no estudo. A pesquisadora constatou que, quanto mais os idosos se sentiram no controle, mais jovens eles disseram se sentir.

Segundo Bellingtier, os benefícios dessa sensação de autonomia podem ser de dois tipos. Por um lado, pode aumentar a saúde mental e diminuir a idade subjetiva. Por outro, pode motivar as pessoas a fazer escolhas mais saudáveis. “Você sente que suas ações são importantes”. Nesse sentido, permitir que idosos sob cuidados tenham mais escolhas pode ser positivo.

Escolher suas próprias refeições, um livro para ler ou uma atividade para praticar podem parecer atitudes básicas do dia -a -dia de um adulto. Para um idoso em uma casa de repouso, porém, esse tipo de autonomia pode se tornar rara – e especialmente valiosa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *