Estética do Envelhecimento: beleza minimalista

Autor(a):

Com o passar do tempo, as marcas de expressão e os fios grisalhos vão se intensificando e os sinais do envelhecimento ficam mais visíveis. A mudança estética com o decorrer da idade pode trazer desconforto e inseguranças, podendo inclusive impactar diretamente no relacionamento conjugal. 

Buscar um estilo de vida saudável, alimentação balanceada, prática de exercícios físicos são formas de melhorar a autoestima e sentir-se confortável com as marcas do tempo, porém a beleza ainda deve ser valorizada, só que de forma genuína. 

Devemos ter em mente a visão correta do envelhecimento, de que é um processo natural e de que todos nós iremos passar. Sendo assim, considerando que um dos pilares da beleza é o resplendor, a imagem deve refletir aquilo que de fato é: uma verdade. É o que ensinam Célia Leite e Lucas Casagrande, consultores de Imagem e criadores do Método Humanizado de Consultoria. 

A consultora de imagem orienta que o primeiro passo para buscar uma imagem bela e condizente com o determinado momento de vida, é a pessoa se instalar na realidade, ou seja, encontrar a beleza no envelhecimento. “Existe beleza em todas as fases da vida, da infância até a velhice, existe beleza nos cabelos brancos, desde que esteja corretamente adequado na sua realidade”, ela complementa.

Além disso, é importante entender que a beleza vai além do aspecto estético, mas é composta de muitas coisas que ultrapassam a aparência física, como o cuidado ao vestir-se, um perfume especial, autoaceitação de que as marcas são expressões de uma vida bem celebrada e com o cultivo de gestos de carinho. “Para encontrar a beleza ao envelhecer é importante ter um olhar mais global da beleza que não é apenas alguma coisa unicamente externa”, explica Lucas. 

Celia frisa a importância da forma do olhar para as marcas da idade, assim como muitas gestantes às recebem através de estrias ou outros sinais da gestação. “Podemos encarar esses sinais quando a velhice chega, de uma vida bem vivida, de uma história que continua porque muitas pessoas também não têm a chance de chegar na velhice por uma morte precoce”, disse a consultora, que acredita que esse olhar diferenciado contribui para que as pessoas consigam enxergar mais sua própria beleza. 

Para contribuir que o outro aceite a beleza na idade avançada é importante estimulá-lo através de elogios, notando as pequenas diferenças e incentivando-o a adotar hábitos que podem contribuir com sua melhor autoestima. “O amor está em prestar atenção nas pequenas coisas e incentivar com palavras de carinho, inclusive presenteando-o muitas vezes com alguma roupa, um perfume ou até mesmo com uma ida ao salão de beleza”, sugere Celia.

Adequação da imagem

Instalados na realidade, é importante que os cuidados pessoais tragam a melhor versão da pessoa e que sejam compatíveis com sua atual circunstância, diferentemente dos procedimentos que são frutos da revolta contra a idade, na busca de tentar montar algo que não é. “A fuga da realidade através de meios que desvirtuem a idade não dialoga com as circunstâncias de alguém, criando uma grande desarmonia, porque algumas coisas se conseguem mascarar, mas outras tantas não”, pontua a consultora. 

“Vemos muitas vezes pessoas mais velhas querendo fazer mil e um procedimentos estéticos para tentar aparentar uma idade muito diferente do que tem, contudo chega a ficar caricato e o que era para agregar beleza acaba agregando feiura, fica uma coisa que não é condizente”, destaca Lucas. 

Não significa que os procedimentos estéticos para atenuar os sinais da idade são ruins, pelo contrário. Seja um preenchimento ou um botox e até mesmo outros cuidados com o cabelo ou com a pele, todos são válidos, desde que utilizados com equilíbrio, e se possível acompanhados de um profissional que poderá oferecer uma visão equilibrada para atenuação dos sinais da idade sem exageros.

Além dos procedimentos estéticos, o principal meio para adequação da imagem é entender o próprio biotipo, utilizar roupas que valorizem os próprios atributos, como também utilizar as cores que favoreçam, através de harmonias cromáticas. Assim, utilizando as roupas adequadas, se consegue colocar tudo no lugar, alcançando a beleza e elegância, ensina Celia. 

“Será impossível biologicamente alguém ter a mesma beleza da pele e corpo de quando se tinha 20 anos, porém ao entender e se instalar na circunstância de vida atual é muito mais fácil encontrar a beleza na terceira idade”, afirma Lucas.

Dicas práticas

Celia e Lucas acreditam que pequenas atitudes podem contribuir para os cuidados com a beleza na terceira idade. Além das dicas dadas anteriormente, eles acrescentam:

Cuidado com as roupas íntimas

Independente do gênero, é importante a utilização de roupas íntimas adequadas, e se possível visualmente bonitas a fim de contribuir para autoavaliação da própria imagem. Além disso, Celia indica principalmente às mulheres que utilizem sutiãs de numeração dupla, pois além de sustentação, oferecem conforto livre de marcações nas roupas que serão utilizadas, melhorando a aparência visual, como também cintas ou modeladores de cintura alta que contribuem para firmeza e contorno do corpo. 

Conhecer melhor as cores de roupas

Sair das cores neutras, como preto e branco, contribuem para uma melhor imagem da pele e do cabelo. Assim, utilizar a cor adequada, encontrada após uma consultoria de coloração pessoal, trará mais luminosidade e viço para a pele, diminuindo o aspecto de cansado e as rugas, trazendo mais alegria e personalidade na sua imagem, refletindo a beleza. 

Aceitar aquilo que não pode mudar, porém fazer o melhor para as coisas que dependem de você

Melhorar a hidratação da pele e diminuir alguns quilinhos na balança são coisas que podem ser alcançadas através de um esforço próprio e podem ser modificados, ainda que acompanhados de um profissional. Porém, características de cada idade não tem como serem alteradas, por isso aceite com alegria em saber que chegou até aqui com uma história, que trilhou um caminho que alguém de vinte anos ainda não o fez, refletindo harmonia, resplendor e integridade, os três pilares básicos da beleza.

Coloração do cabelo

A diferença de tonalidade entre o cabelo e a pele alcançam um contraste ideal que interferem na valorização da nossa imagem. Porém tais tonalidades vão sofrendo modificações ao longo do tempo, acarretando o embranquecimento da pele e do cabelo, em tempos diferentes. Por isso, muitas vezes uma tinta de cabelo que foi usada durante anos, em algum dado momento não vai mais ser adequada, sendo necessário um profissional de confiança que entenda dessa questão para saber orientar qual a melhor tonalidade, a fim de alcançar novamente um contraste ideal.

Sempre Família/Gazeta do Povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *